15.6 C
Distrito Federal
quarta-feira, maio 29, 2024

Motoristas de apps não podem mais cobrar extra por ar-condicionado

As altas temperaturas demandam que as pessoas se adaptem, buscando meios de se refrescarem, o que torna o ar-condicionado uma opção quase indispensável, especialmente nos veículos.

Contudo, esse desejo por conforto térmico gera impactos, principalmente no consumo de combustível.

Veja também

O aumento do uso do ar-condicionado, embora proporcione alívio aos ocupantes, acaba por impor uma carga adicional aos motores, resultando em um aumento no consumo de gasolina.

Tal correlação entre temperatura crescente e consumo de combustível levou muitos motoristas de aplicativos de transporte a cobrarem uma taxa extra pelo uso do ar-condicionado nas corridas.

Esse valor veio após os profissionais perceberem um prejuízo de 15 a 20 reais e visava compensar gastos adicionais com combustível, decorrentes da utilização prolongada do ar-condicionado.

Motoristas cariocas são impedidos de cobrar taxa extra

Ligar o ar-condicionado no calor é essencial – Imagem: diana.grytsku/Freepik/Reprodução

A prática não foi bem recebida pelo governo do Rio de Janeiro. Em uma decisão tomada no dia 8 de janeiro, última segunda-feira, as autoridades decidiram proibir essa cobrança adicional.

Segundo a Defesa do Consumidor, isso é considerado abusivo e vai contra os direitos dos passageiros.

As empresas de transporte por aplicativo, como Uber e 99, também se posicionaram contra essa cobrança extra, destacando que ela é irregular e divergente dos termos de uso de seus aplicativos.

No entanto, a proibição do governo se tornou necessária para pôr fim a essa cobrança recorrente por parte dos motoristas.

A partir de agora, os profissionais de aplicativo no Rio de Janeiro não poderão mais cobrar taxas extras por manter o ar-condicionado ligado durante as corridas.

Em uma medida que visa garantir o conforto dos passageiros sem impor custos adicionais, a nova regulamentação determina que a utilização do ar-condicionado seja obrigatória no transporte de pessoas, a menos que elas solicitem o desligamento.

É importante ressaltar que tal decisão é específica para o estado do Rio de Janeiro, e cada região pode adotar abordagens distintas em relação à questão.

A proibição visa equilibrar a necessidade de conforto térmico das pessoas com a busca por práticas justas e transparentes por parte dos motoristas de aplicativos.

Fonte: R7 – Entretenimento

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Pesquisar

Últimas Notícias

Categorias