28.6 C
Distrito Federal
quarta-feira, abril 17, 2024

Doação de sangue 2024. Todo doador é sangue bom.

Caos no Equador é reação a plano contra o crime inspirado em El Salvador, dizem analistas

O Equador vive uma escalada de caos e violência extrema. Sequestros de policiais, incêndios de veículos, atentados com bombas e fuga de presos foram registrados na terça-feira, 9, ao redor do país, um dia depois de que o presidente Daniel Noboa ter declarado estado de exceção pela fuga de Adolfo Macías Salazar, alias “Fito” – líder de Los Choneros, a maior organização criminosa do país. Além disso, em Guayaquil, homens armados e encapuzados invadiram o estúdio da emissora TC Televisión e ameaçaram os jornalistas e cinegrafistas. Sem dar mais detalhes, a polícia anunciou que controlou a situação no fim da tarde, com “várias prisões”, e divulgou fotos que mostram pelo menos dez suspeitos deitados no chão, com as mãos atadas por lacres plásticos. Ninguém ficou ferido. Carolina Andrade, secretária de segurança de Quito, disse em entrevista ao Estadão que a escalada da violência deixou o país em estado de sítio nesta terça-feira, e que o Estado está buscando mobilizar seus ativos para controlar o cenário. Ela acredita também que alguns dos acontecimentos de terça-feira dão indícios de ser uma reação direta destes grupos criminosos às decisões recentes do presidente Daniel Noboa. Durante sua campanha à presidência do país, em agosto, Noboa prometeu comprar barcos-prisões para abrigar, a 80 milhas da costa do oceano Pacífico, os líderes de gangues nacionais, que durante anos conseguiram controlar o narcotráfico e a violência urbana dos complexos prisionais sem interferência efetiva do Estado. Influência salvadorenha “Há uma grande infiltração dos grupos criminosos no nosso país”, disse a secretária de segurança de Quito. “Os mecanismos de inteligência do Equador não conseguem dar conta das ações destes grupos e acaba se tornando extremamente difícil gerar informações prévias para evitar que aconteçam estas ondas de violência”. Noboa busca imitar as políticas de “mão pesada” promulgadas por Nayib Bukele em El Salvador, quem declarou guerra às gangues e impulsionou uma onda de prisões compulsórias no seu país, sendo acusado posteriormente de violar os direitos humanos pela natureza imprecisa das ordens de prisões e os maus tratos contra os detentos. Em dezembro, o novo presidente afirmou que esta seria apenas “uma medida complementar e provisória para transferir os presos que representam ameaças reais à segurança nacional, mantendo-os isolados até que as prisões de segurança máxima e supermáxima sejam concluídas”. Pouco tempo depois, ainda no mês anterior, seu governo ordenou a construção de duas prisões de “segurança máxima e supermáxima” no “estilo salvadorenho”. Onda de terror “Estamos vivendo uma onda de terror a causa de grupos narcotraficantes”, disse ao Estadão Kleber Carrión, ex-oficial da Polícia Nacional Equatoriana e especialista em segurança e inteligência. “Há uma grande comoção em todas as províncias, especialmente nas províncias da costa, com muito medo e no aguardo de que o estado reaja com firmeza e dureza aos ataques dos grupos delitivos”, afirmou ele. A crise desta terça-feira fez com que Daniel Noboa decretasse”conflito armado interno” e considerou 22 facções como organizações terroristas, autorizando posteriormente as Forças Armadas do Equador a agir para combater os grupos criminosos. A crise no Equador se agravou desde o domingo, 7, o governo afirmou que o narcotraficante Fito fugiu da cadeia. Na segunda-feira, 8, pelo menos seis presídios do país tiveram um cenário de caos, com rebeliões internas, incluindo a retenção de agentes penitenciários por detentos e a queima de colchões. Na Prisão Regional, onde se encontrava Fito, os detentos escreveram no pátio com pedras “PAPA FITO” e “FATALES GTR” em referência a outra organização criminosa. Em um campo esportivo do mesmo complexo haviam pintado “CON FITO SEMBRAMOS PAZ” (“com Fito semeamos paz”). “Isto está ocorrendo poucos dias depois da fuga da prisão de ‘Fito’. Ele é o líder de uma destas organizações e parece ter muita influência sobre o resto dos grupos. [A influência] não seria no sentido ideológico, os grupos compartilham os mesmos objetivos que Fito: causar terror em todo o nosso território”, afirmou o especialista, que acredita que os acontecimentos recentes possam ser uma espécie de ação retaliatória contra as políticas do Estado. Soluções fracassadas Os últimos três governos do Equador tentaram criar soluções para a crise prisional da nação, mas não tiveram sucesso. Os complexos prisionais abrigam mais de 31 mil detentos e funcionam, indiretamente, como a base de operações dos narcotraficantes locais. Mas para Carolina Andrade, o problema da violência no país é mais profundo. A nação sul-americana já tem uma prisão de segurança máxima (La Roca), que passou por reformas em 2022 para isolar os líderes do crime organizado. E as instituições de segurança enfrentam grandes dificuldades para prever e controlar as atividades dos cartéis e gangues. “Estes eventos têm o objetivo de espalhar o medo e a propaganda para desestabilizar o país”, disse Carolina Andrade. O Equador está passando por uma crise de segurança sem precedentes desde o ano anterior, quando membros de gangues assassinaram o jornalista e candidato presidencial Fernando Villavicencio na saída de um comício em Quito. Desde então, os casos de violência extrema tiveram um aumento no país, com atentados a outros políticos, explosões de carros-bomba, sequestros e assassinatos. Uma série de investigações da polícia equatoriana indicam que a morte de Villavicencio foi ordenada por criminosos na prisão de Cotopaxi. Noboa assumiu a liderança do Equador em novembro do ano passado com o desafio de acabar com a crise da segurança, mas a dois meses da sua pose, os assassinatos no país atingem níveis históricos, com 40 homicídios para cada 100 mil habitantes. Mas o presidente advertiu recentemente que não “negociará com terroristas” e prometeu que não descansará “até devolver a paz a todos os equatorianos”.
Estadão Conteúdo

O post Caos no Equador é reação a plano contra o crime inspirado em El Salvador, dizem analistas apareceu primeiro em Jornal de Brasília.

Fonte: Jornal de Brasília

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Pesquisar

Últimas Notícias

Categorias