19.6 C
Distrito Federal
sábado, fevereiro 24, 2024

Desembargadora se aposenta depois de 2 meses no cargo e vai receber R$ 37 mil

A desembargadora Graciema Ribeiro de Caravellas se aposentou, voluntariamente, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT), depois de 73 dias no cargo. A aposentadoria foi confirmada na última segunda-feira, 8. 

+ Leia mais notícias de Política em Oeste

A saída do tribunal se deu pouco mais de um ano depois de a magistrada ser reintegrada aos quadros da Corte. 

Antes disso, Graciema havia sido aposentada compulsoriamente, em 2010, por ordem do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Ela teria participado do esquema de desvio de mais de R$ 1,4 milhão do TJ-MT para a Loja Maçônica Grande Oriente do Estado. 

Leia também: “Toffoli libera R$ 1 bilhão em penduricalhos a juízes federais”

À época, os juízes foram acusados de receber da Corte R$ 250 mil — individualmente. O ato foi considerado ilícito e caracterizado como possível esquema de favorecimento com uso de dinheiro público. 

Ação no STF

STF
Em 2022, a magistrada foi reintegrada aos quadros do TJ de Mato Grosso, depois que o ministro do STF Gilmar Mendes a citou e afirmou que a conduta dela foi ‘meramente passiva’ e ‘nem sequer foi denunciada criminalmente’ | Foto: Divulgação/Agência Brasil

O grupo de magistrados, no entanto, recorreu ao STF para livrar-se das punições. Eles obtiveram uma liminar para retornar aos cargos, mas em 2012 a Corte reverteu a decisão e restabeleceu a decisão do CNJ.

Leia mais: “Barroso encaminha a Dias Toffoli decisão que libera pagamento extra a juízes”

Em 2022, a magistrada foi reintegrada aos quadros do TJ de Mato Grosso, depois que o ministro do STF Gilmar Mendes a citou e afirmou que a conduta dela foi “meramente passiva” e “nem sequer foi denunciada criminalmente”. 

Leia também: “Auditor vê rombo de R$ 865 milhões e pede veto a privilégio de juízes federais”

Assim, em outubro de 2022, a desembargadora foi reintegrada aos quadros da Justiça. No dia 27 de outubro do ano passado, Graciema foi empossada desembargadora, 73 dias antes de se aposentar.

Magistrada recebeu mais de R$ 1 milhão em 2023

Conforme reportagem do jornal Estado de S. Paulo, a desembargadora recebeu mais de R$ 1 milhão ao longo de 2023. 

Leia mais: “TCU copia penduricalhos de juízes e pode elevar ganhos de ministros”

O salário mensal de Graciema é de R$ 37,5 mil. Não obstante, o dinheiro pago à desembargadora foi turbinado por indenizações e benefícios. 

Os penduricalhos 

Penduricalhos
No dia 27 de outubro do ano passado, Graciema foi empossada desembargadora, 73 dias antes de se aposentar | Foto: Reprodução/Freepik

De janeiro a março do ano passado, Graciema recebeu R$ 60 mil por mês a título de licença-prêmio. Seu salário chegou a R$ 107 mil brutos. Em abril, recebeu R$ 66,3 mil a título de “direitos eventuais”, e seu contracheque alcançou R$ 151 mil brutos. 

Leia também: “Justiça do Trabalho cria regra que aumenta salário de juízes”

Em agosto e setembro, o TJ-MT pagou a Graciema R$ 53 mil, também a título de “direitos eventuais”. Em outubro, o valor foi de R$ 77 mil. Em dezembro, a folha de pagamento alcançou R$ 147 mil — sob a mesma rubrica.

Fonte: R7 – Política

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Pesquisar

Últimas Notícias

Categorias