25.6 C
Distrito Federal
quarta-feira, junho 19, 2024

Defesa de Silvinei Vasques pede para caso ser analisado pela Justiça Eleitoral

A defesa do ex-diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF) Silvinei Vasques pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que as investigações sobre a conduta dele nas eleições de 2022 sejam analisadas na Justiça Eleitoral de primeiro grau. O advogado de Vasques alegou “notória ausência de competência” do STF para julgar o caso. 

“A remessa desse procedimento pela Polícia Federal ao STF configura, inclusive, erro de grande monta”, disse o advogado Eduardo Nostrani, no pedido. “Sobretudo diante da evidência de que não há conexão ou continência com ato de indivíduo com prerrogativa de foro. A conexão somente ocorre quando existe algum liame entre uma e outra infração penal a permitir a unificação de processos que guardam, entre si, algum vínculo.” 

Silvinei é acusado por blitze durante as eleições de 2022

Silvinei Vasques
Silvinei Vasques está preso desde agosto do ano passado | Foto: Reprodução/Twitter/X

Vasques é investigado por, supostamente, ter comandado uma operação realizada pela PRF durante as eleições de 2022. Ele é acusado, de acordo com a denúncia, de impedir o trânsito de eleitores do então candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no segundo turno. As blitze ocorreram em sua maioria na Região Nordeste. 

+ Leia mais notícias de Política em Oeste

O ex-diretor-geral da PRF está preso desde agosto do ano passado. No fim de 2023, o ministro do STF Alexandre de Moraes negou um pedido de liberdade protocolado pela defesa de Vasques. 

Leia também: “Advogado de Silvinei Vasques acusa Polícia Federal de ‘estuprar’ lei para perseguir ex-diretor da PRF”

Em novembro, os advogados de Vasques já haviam pedido a liberdade dele. De acordo com eles, o ex-diretor-geral da PRF havia emagrecido cerca de 12 kg na prisão. Além disso, segundo a defesa, ele corria o risco de ser envenenado. 

Leia mais: “Moraes nega novo pedido de liberdade de Silvinei Vasques”

Em agosto, quando determinou a prisão do ex-diretor-geral da PRF, o ministro Alexandre de Moraes, do STF, ressaltou que a conduta de Vasques, narrada pela PF, “revela-se ilícita e gravíssima, pois são apontados elementos indicativos do uso irregular da máquina pública, com objetivo de interferir no processo eleitoral”. 

De acordo com as investigações, Vasques teria emitido ordens ilegais a subordinados com o objetivo de “dificultar ou até impedir o livre trânsito de eleitores na região”. Ele nega as acusações.

Leia também: “Silvinei Vasques é vítima de ‘bisonhice jurídica’ de Moraes, diz advogado”

Fonte: R7 – Política

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Pesquisar

Últimas Notícias

Categorias