28.6 C
Distrito Federal
quarta-feira, abril 17, 2024

Doação de sangue 2024. Todo doador é sangue bom.

Britânicos planejam barrar JBS na Bolsa de Nova York

Parlamentares do Reino Unido planejam barrar a entrada da empresa JBS na Bolsa de Valores de Nova York. De acordo com a agência de notícias Bloomberg, a JBS é a maior fornecedora de carnes do mundo.

+ Leia mais notícias de Mundo em Oeste

Os parlamentares querem pressionar a Agência de Regulamentação e Controle dos Mercados Financeiros dos EUA (SEC, na sigla em inglês) para impedir a entrada da empresa. Eles argumentam que a abertura de capital da JBS “ameaçaria esforços para reverter as mudanças climáticas”.

JBS novos investimentos Arábia Saudita
JBS diz que visa a ‘dialogar’ para melhorar ‘desenvolvimento de sistemas alimentares mais saudáveis’ | Foto: Reprodução/Foursquare

Em nota, a empresa diz que cumpre requisitos sociais e ambientais e que “se dedica a dialogar com quem realmente busca discussões construtivas e ações reais focadas no desenvolvimento de sistemas alimentares mais sustentáveis”.

Carta dos parlamentares britânicos sobre a JBS

Segundo a Bloomberg, 12 parlamentares britânicos devem entregar uma carta nesta quarta-feira, 10, ao presidente da SEC, Gary Gensler. Eles dizem que a JBS tem um “histórico bem documentado de envolvimento em desmatamento, violação de direitos humanos e apropriação de terras de comunidades indígenas”.

Leia também: “Coreia do Sul proíbe consumo de carne de cachorro”

Os parlamentares dizem que as práticas da empresa representam uma “ameaça significativa” para a regulação do clima e para a conservação da biodiversidade. O documento diz que a JBS não cumpriu o compromisso de não comprar gado de áreas desmatadas.

A JBS tem buscado uma listagem em uma bolsa norte-americana há mais de dez anos. Em 2022, as operações da empresa brasileira nos EUA geraram quase metade da receita da JBS.

Segundo o Poder360, executivos da JBS relatam que a entrada no setor norte-americano tem o potencial de triplicar o valor de mercado da empresa, que pode chegar a US$ 30 bilhões (quase R$ 150 bi).

Leia também: “Haddad neoliberal?”, artigo de Rodrigo Constantino publicado na edição 198 da Revista Oeste

Fonte: R7 – Internacional

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Pesquisar

Últimas Notícias

Categorias