19.6 C
Distrito Federal
segunda-feira, abril 15, 2024

Após 18 anos, empresa terá que pagar R$ 200 mil a viúva de vítima de acidente no Rio de Janeiro

Na última decisão proferida pela Subseção II Especializada em Dissídios Individuais (SDI-2) do Tribunal Superior do Trabalho (TST), a Transocean Brasil Ltda., sediada em Macaé, no Rio de Janeiro, foi mantida condenada a pagar uma indenização de R$ 200 mil à viúva de um petroleiro vítima de um acidente aéreo em março de 2006. O colegiado decidiu que a empresa empregadora, ao fornecer o transporte aéreo para o deslocamento de seus funcionários, assumiu a responsabilidade pelo ocorrido.

O colaborador estava em Macaé e foi chamado a se apresentar no Rio de Janeiro, de onde embarcaria em avião da empresa TEAM Transportes Aéreos para uma plataforma de petróleo. Minutos depois de decolar, o avião, que deveria pousar no Aeroporto Santos Dumont, chocou-se contra um morro na região do Pico da Pedra Bonita, vitimando todos os tripulantes e 17 passageiros, inclusive o petroleiro, funcionário da Transocean.

O avião envolvido no acidente, segundo consulta ao relatório final emitido pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos – CENIPA, é um bimotor turboélice O Let L-410 Turbolet registrado sob a matrícula PT-FSE.

Indenização

Dois anos após o acidente, em março de 2008, a viúva ajuizou a reclamação trabalhista, pedindo a condenação solidária da Transocean pelo pagamento da indenização requerida contra a empresa TEAM em razão de acidente aéreo no qual faleceu o empregado, que na época tinha 30 anos e seria pai dali a alguns meses.

O juízo da 30ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro e o Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região concluíram que a empresa era responsabilidade pelo acidente aéreo. A conclusão baseou-se na teoria do risco, em que o dever de indenizar decorre da própria atividade profissional. “O empregado desenvolvia suas atividades nas plataformas de petróleo, atividade de alto risco“, frisou a decisão.

Na interpretação do TRT, ao fornecer transporte aéreo para seus empregados locomoverem-se de um local a outro da prestação de serviços, a empresa assumiu a posição de transportadora, o que acarreta sua responsabilidade por eventuais acidentes ou danos no percurso.

Entre outros aspectos, o Tribunal observou que a Transocean havia emitido os bilhetes aéreos e não oferecia opção de outro meio de transporte. Também ressaltou que os artigos 734 e 735 do Código Civil responsabilizam o transportador pelos prejuízos e acidentes que ocorrerem aos passageiros e suas bagagens. Com isso, determinou o pagamento de pensão à viúva até que complete 70 anos de idade e indenização de R$ 200 mil.

A decisão tornou-se definitiva em novembro de 2019 e, em novembro de 2021, a empresa ajuizou ação rescisória visando anulá-la. Na ação, a Transocean sustentou que o TRT não havia considerado as hipóteses que excluiriam a responsabilidade objetiva, como caso fortuito, força maior e fato exclusivo de terceiro. Segunda a empresa, o laudo do CENIPA concluiu que “decisões inadequadas” e “excesso de autoconfiança” dos pilotos teriam provocado o acidente com o bimotor.

Para a empresa, “o simples fato de as atividades profissionais do empregado terem envolvido o seu deslocamento de avião no dia 31 de março não permite que suas atividades sejam consideradas como de risco acentuado“. A Transocean disse também que o acidente não ocorreu no trajeto da plataforma para Macaé, mas no trecho Macaé-Rio, em voo escolhido pelo empregado.

O relator, ministro Amaury Rodrigues, explicou que, quando a empresa assume o papel de transportadora, não há a necessidade de comprovar a culpa para caracterizar seu dever de reparação pelos danos sofridos. A decisão foi unânime.

Com informações do Tribunal Superior do Trabalho

Fonte: RJNEWS – Cidades

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Pesquisar

Últimas Notícias

Categorias