Inflação para famílias de renda mais baixa cai 0,60%
IPCA tem deflação de 0,68% em julho, menor taxa da série histórica
Anvisa proíbe uso do fungicida carbendazim em produtos agrotóxicos
Caminhoneiros recebem auxílio com parcela dobrada
Estudo mostra alta da pobreza em regiões metropolitanas

Zé Ricardo cita arrancada do Vasco em 2017 e busca recuperar confiança da base: ‘É meu modelo de trabalho’

Lance

Lance Lance

Nas últimas temporadas, a base do Vasco foi utilizada, muitas das vezes, como solução. Algo que afeta diretamente no psicológico de meninos em formação e que atrapalha o rendimento de cada um deles em campo. O clube sabe que enfrenta problemas financeiros, mas Zé Ricardo acredita que para repetir a campanha de 2017, é preciso ter equilíbrio e um ambiente adequado para que esses jovens tenham bom desenvolvimento técnico, tático e mental.

Em sua apresentação, na última quarta, o técnico relembrou que em 2017, o clube também enfrentava problemas semelhantes extracampo. Porém, antes de um estilo de jogo, o bom ambiente foi decisivo para conquistar a vaga na Libertadores. Ele pontuou que é preciso reconquistar a confiança dos atletas e dos meninos da base e frisou a importância de ter os salários em dia.

+ Confira e simule a tabela do Campeonato Carioca 2022

– Quando falamos de modelo de jogo vai muito além das quatro linhas. Muita coisa que o presidente e o Carlos Brazil falaram tem a ver com modelo de jogo. Eu costumo buscar primeiro construir e transformar o bom ambiente em que trabalhamos. Foi assim 2017, quando nós tínhamos muitas dificuldades, problemas até semelhantes aos que temos agora, mas foi construído um ambiente que fez o Vasco sair de uma situação incômoda para uma Pré-Libertadores. Chegamos na liderança do returno e depois confirmamos a vaga. Isso com a dificuldade e os problemas que acompanham o clube há 20, 30 anos – analisou comandante, antes de completar:

– É o meu modelo de trabalho, o que me faz entender que pode ser diferente. Respeito todos os profissionais que passaram aqui, todos têm competência. Hoje temos profissionais na equipe técnica e a seriedade do presidente para realizar o que queremos e um bom ambiente. É fundamental que a gente consiga ter os salários em dia e manter a chama acesa, que os atletas estejam respaldados pela direção. Brazil foi feliz ao dizer que teremos uma comissão presente e o atleta precisa disso. E a gente se preocupa de trabalhar para o atleta render o seu melhor. Se tiver problema fora de campo não irá render. O Vasco não pode novamente cometer esse erro. Tem que dar tranquilidade para atletas e corpo técnico para fazer o trabalho – Zé Ricardo

+ Em meio à reta final melancólica, Riquelme foi a boa notícia do Vasco no ano e segue valorizado em 2022

Ao analisar a base cruz-maltina, o comandante ressaltou a importância da questão psicológica. Ele também afirmou que irá acompanhar a Copinha – o Vasco estreia no próximo dia 5. Em 2017, Evander e Paulinho, meninos da Colina, tiveram destaque na campanha, e Zé Ricardo tenta repetir o sucesso.

Para ele, o psicológico da base foi fragilizado em 2021. Nomes como Riquelme, Matías Galarza, Bruno Gomes, MT, Juninho, Lucão, Gabriel Pec têm condições de ajudar a equipe, mas não podem ser jogados no fogo. Com isso, o clube tem a ideia de trazer jogadores mais experientes para dar suporte aos meninos. Um exemplo é a chegada de Edimar na lateral para ajudar o talentoso Riquelme, que pode até atuar mais à frente.

+ Carlos Brazil afirma que Leandro Castan está próximo de deixar o Vasco: ‘Desgaste natural’

– Falar dos meninos do Vasco. Existem vários nomes importantes que fizeram campanhas e boa temporada no Sub-20. Contamos com eles. Tem que ter muito cuidado ao falar deles, pois cada um tem o seu ritmo. O preparo técnico e tático deles ainda está em formação, mas principalmente o aspecto psicológico. Muitos absorvem bem as críticas, outros não. Esse ano sabemos que foi difícil, muitos estão com falta de confiança, o que interfere em campo – explicou, e falou da Copinha:

– Iremos acompanhar a Copinha. Alguns atletas como o Andrey (Santos) irá disputar. Disputei duas Copas São Paulo como treinador. É uma competição extremamente importante na formação de um atleta, completa. Dos atletas que têm idade para jogar, a minha ideia sempre foi fazer com que eles jogassem e após isso a gente incorporar aqueles que a gente acha que deva no profissional. O mais importante é dar confiança com a chegada de atletas mais experientes. Outros que a gente percebe que tem condições técnicas e táticas para jogar, colocar em campo – completou, e finalizou:

+ Vasco entrega reforma da sede do Calabouço; local contará com retorno da prática de esportes náuticos

– Não tenho medo de colocar garoto pra jogar. Isso é uma rotina para todos nós e para o Vasco muito mais. Iremos analisar cada caso, o individual do atleta conta bastante para que no coletivo chegue ao seu melhor. Não é uma equação exata, que o que fizer e der certo com um dará com outro. Mas acredito que o Vasco vai, nesta temporada, ter atleta jovens, como sempre teve, como protagonistas e até como coadjuvantes em seu elenco – finalizou.

Fonte: R7 – Esportes

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.