Petrobras: preço do querosene de aviação cai 0,84% a partir de sábado
Drones ajudarão na fiscalização contra crimes eleitorais no DF
Taxa média de juros cai em agosto, mas segue tendência de alta
Dia Mundial do Coração
Distrito Federal suspende aulas na próxima sexta-feira

WhatsApp diz que não fez acordo com TSE e mudanças serão feitas após as eleições

Reprodução/TecMundo

O WhatsApp informou que as mudanças que devem ser implementadas no aplicativo não são fruto de acordo com o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e que as resoluções ocorrerão somente após as eleições deste ano. Representantes da empresa se encontraram na manhã desta quarta-feira (27) com o presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ministro das Comunicações, Fábio Faria.

“De acordo com o calendário já divulgado, a implementação da funcionalidade no Brasil ocorrerá somente após o período eleitoral”, disse o WhatsApp em nota.

“É importante ressaltar que a decisão sobre a data de lançamento deste recurso no Brasil foi tomada exclusivamente pela empresa, tendo em vista a confiabilidade do funcionamento do recurso e sua estratégia de negócios de longo prazo. Essa decisão não foi tomada a pedido nem por acordo com o Tribunal Superior Eleitoral”, completou.

O comunicado informa que a empresa assinou um memorando de entendimento com o TSE no início deste ano. O documento inclui, por exemplo, um chatbot – canal de denúncias para contas suspeitas de diversos disparos em massa e treinamentos para a equipe da Justiça Eleitoral.

O aplicativo também é signatário do Programa de Enfrentamento à Desinformação desde 2019. “No entanto, nenhum desses acordos com o WhatsApp faz referência à funcionalidade Comunidades ou ao seu momento de lançamento, pois esse tipo de decisão cabe à empresa”, destaca.

 

O WhatsApp anunciou, no dia 14 de abril, o recurso “Comunidades”, que, na prática, permite disparos em massa para diversos grupos de interesses comuns. Isso acende um alerta quanto ao envio de informações falsas em ano de eleição, mas a empresa ressaltou que nenhum recurso novo será implementado antes do pleito de 2022. O WhatsApp avalia que o público-alvo da iniciativa são escolas, empresas e moradores de prédios.

Um comunicado do aplicativo informou que as Comunidades devem permitir uma “melhor organização de grupos separados sob um ‘guarda-chuva’ principal”. Ou seja, diretores de escola, por exemplo, poderão criar um grupo daquela instituição na plataforma, abrangendo outros subgrupos separados de professores, alunos e classes. Nele, os responsáveis pelo colégio podem enviar mensagens de avisos a todos ao mesmo tempo.

“Estamos no início do desenvolvimento de Comunidades para o aprimoramento do recurso antes de passar à etapa de lançamento global, o que não acontecerá por vários meses. Continuaremos a avaliar o momento exato para o lançamento da funcionalidade no Brasil e comunicaremos a data quando estiver definida. Reafirmamos que isso só acontecerá após as eleições de outubro”, finaliza a nota.

Após o período eleitoral, o aplicativo também vai promover uma série de novidades. Entre elas estão as reações com emojis a mensagens, a exclusão de mensagens em grupos pelo administrador, o aumento da capacidade de envio de arquivos grandes para até 2 gigabytes e chamadas de voz com apenas um toque para até 32 pessoas.

 

Fonte: R7 – Tecnologia e Ciência

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.