21.6 C
Distrito Federal
quinta-feira, fevereiro 22, 2024

Sumiço de chefe da defesa dos EUA se deve a câncer

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)

Uma avaliação laboratorial identificou câncer de próstata no Secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, que passou por uma cirurgia no dia 22 de dezembro por causa do quadro, informou o Centro Médico Militar Nacional Walter Reed nesta terça-feira (9).

Dias depois, no dia 1º de janeiro, Austin foi hospitalizado para tratar uma infecção do trato urinário decorrente do procedimento cirúrgico, continuou o hospital.

“Sua infecção foi eliminada. Ele continua a progredir e esperamos uma recuperação completa, embora esse processo possa ser lento”, disse o centro de saúde em um comunicado divulgado pelo Pentágono. “Durante essa internação, o Secretário Austin nunca perdeu a consciência e nunca foi submetido a anestesia geral.”

Sua hospitalização vinha causando desconforto em Washington. Depois de vir a público que nem o presidente americano, Joe Biden, sabia que ele estava doente e não podia desempenhar as suas funções, Austin afirmou na noite de sábado (6) que a responsabilidade de não informar sobre o procedimento era sua.

O Pentágono esperou até a noite de sexta-feira (9) para anunciar que o secretário de 70 anos tinha sido internado quatro dias antes “por complicações decorrentes de um procedimento médico eletivo recente”, uma violação do protocolo habitual num momento em que os EUA estão envolvidos na guerra entre Israel e Hamas que se desenrola na Faixa de Gaza.

Um funcionário da Casa Branca não especificou quando Biden foi informado da ausência de Austin, mas afirmou à agência de notícias AFP que ambos haviam conversado no sábado de forma cordial.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Reconheço que poderia ter feito um trabalho melhor para garantir que o público fosse devidamente informado. Comprometo-me a fazer melhor”, disse Austin em um comunicado no mesmo dia. “Assumo toda a responsabilidade pelas minhas decisões sobre a divulgação”, completou.

Ele acrescentou que “voltaria em breve ao Pentágono”, agradecendo aos médicos e à equipe do centro médico pelo cuidado.
A ausência virou arma na mão da oposição. O ex-presidente Donald Trump, até aqui o candidato com maior força para vencer as primárias republicanas e concorrer à Casa Branca, disse que Austin deveria ser demitido por “conduta profissional inadequada e abandono do dever”.

“Ele está desaparecido há uma semana e ninguém, incluindo seu chefe, tinha a menor ideia de onde ele estava ou poderia estar”, escreveu Trump na Truth, a sua rede social.

Já o ex-vice-presidente Mike Pence, que chegou a dizer que concorreria nas primárias republicanas, mas depois desistiu, chamou o atraso de Austin em divulgar sua hospitalização de “omissão de dever”.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os deputados Mike Rogers e Adam Smith, principais republicano e democrata no Comitê de Serviços Armados da Câmara, respectivamente, disseram no domingo (7) que estavam “preocupados com a forma como a divulgação da condição do secretário foi tratada”.

Fonte: Jornal de Brasília – Mundo

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Pesquisar

Últimas Notícias

Categorias