Drenar-GDF-300x250-GIF
Programa oferece até R$ 21 mil de crédito para empreendedores negros
Governo lança programa para reduzir filas no sistema de saúde
UNE quer construir agenda com reivindicações ao governo federal
Anvisa fará webinar sobre novas regras de reprodução humana assistida
Mercado financeiro eleva projeção da inflação de 5,74% para 5,78%

PF faz operação contra fraudes na compra de medicamentos e apura relação com 14 mortes

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Funcionários do Ministério da Saúde na gestão de Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara dos Deputados, são alvos de busca e apreensão da Polícia Federal nesta terça (21) em uma investigação sobre fraudes na aquisição de medicamentos de alto custo.

Segundo a PF, as possíveis fraudes durante o período teriam a intenção de beneficiar a Global, sócia da Precisa Medicamentos, que está na mira da CPI da Covid por irregularidades na compra da vacina Covaxin.

De acordo com a polícia, os problemas nas compras dos medicamentos causaram desabastecimento por vários meses e podem ter resultado na morte de 14 pacientes.

Entre os alvos estão Davidson Tolentino e Tiago Queiroz, que atuavam na diretoria de Logística do ministério por indicação de Barros.

As compras que estão na mira da PF foram efetuadas entre 2016 e 2018, quando Barros era ministro da Saúde, e teriam causado um prejuízo de cerca de R$ 20 mihões pela falta de entrega dos medicamentos adquiridos.

São investigadas as compras pela diretoria de Logística em Saúde da pasta dos medicamentos Aldurazyme, Fabrazyme, Myozyme, Elaprase e Soliris/Eculizumabe.

Ao todo, a PF cumpre 15 mandados de busca e apreensão em cidades de Alagoas, Minas Gerais, Pernambuco, São Paulo e no Distrito Federal.

A investigação apura os crimes de fraude à licitação, estelionato, falsidade ideológica, corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa e corrupção ativa.

Em nota, Ricardo Barros afirma que não é alvo da investigação e que não “se comprovará qualquer irregularidade” em sua gestão no Ministério da Saúde. Segundo ele, as compras foram feitas dentro das regras e tiveram decisões favoráveis na Justiça.

O líder do governo diz ainda que não há relação entre a morte de 14 pacientes com os problemas na entrega dos medicamentos adquiridos.

Compartilhe este conteúdo!

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *