Inflação para famílias de renda mais baixa cai 0,60%
IPCA tem deflação de 0,68% em julho, menor taxa da série histórica
Anvisa proíbe uso do fungicida carbendazim em produtos agrotóxicos
Caminhoneiros recebem auxílio com parcela dobrada
Estudo mostra alta da pobreza em regiões metropolitanas

Maioria do STF vota para receber denúncia e tornar Roberto Jefferson réu

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria nesta sexta-feira, 18, para receber a denúncia oferecida pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB) e torná-lo réu por incitação ao crime, homofobia e calúnia.

A maioria foi formada em menos de 12 horas da abertura do julgamento no plenário virtual – plataforma que permite aos ministros incluírem os votos online sem necessidade de reunião do colegiado. A análise segue até a próxima sexta-feira, 25.

Até o momento, votaram para receber a denúncia o ministro Alexandre de Moraes, relator do processo, e os ministros Gilmar Mendes, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Dias Toffoli e Cármen Lúcia.

A denúncia foi oferecida em agosto do ano passado pela subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo com base em entrevistas e publicações do ex-deputado. A PGR imputa os seguintes crimes:

– Incitação ao crime: entrevista concedida em 24 de maio de 2021 ao canal do Youtube Rádio 94 FM em que o ex-deputado incentivou a invasão do Senado Federal na esteira da CPI da Covid;

– Incitação ao crime: entrevista concedida em 23 de julho de 2021 ao canal do Youtube Jornal da Cidade Online em que Roberto Jefferson incentivou incendiar o prédio do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e voltou a atacar a CPI da Covid ao dizer que a comissão parlamentar ‘tem que acabar no amor ou no terror’. “Essa CPI tem que terminar no pescoção e jogar todo mundo dentro daquele lago em frente ao Congresso Nacional”, declarou na ocasião;

– Calúnia: entrevista concedida em 26 de julho de 2021 à Jovem Pan News em que Roberto Jefferson acusou o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, de prevaricação por ‘não ter dado andamento’ a pedidos de impeachment contra os ministros do STF;

– Incitação ao crime: na mesma entrevista à Jovem Pan News o ex-deputado voltou a pregar agressões contra os senadores da CPI da Covid;

– Homofobia: a PGR também viu homofobia do ex-deputado ao comparar a população LGBT a drogados e traficantes, ainda na entrevista à Jovem Pan, e em publicação feita nas redes sociais em agosto de 2021.

Em seu voto, Moraes classificou como ‘gravíssimas’ as declarações do ex-deputado. Para o ministro, Roberto Jefferson ‘atentou fortemente’ contra a democracia.

“[As declarações] não só atingem a honorabilidade e constituem ameaça ilegal à segurança do Senado Federal e de seus parlamentares, em especial os integrantes da CPI da Pandemia, como se revestem de claro intuito visando a impedir o pleno exercício das atividades investigativas conferidas ao Parlamento nacional”, escreveu.

Como não tem direito ao foro por prerrogativa de função, o ex-deputado vai responder ao processo na Justiça Federal do Distrito Federal.

Roberto Jefferson está preso preventivamente desde agosto do ano passado no âmbito do inquérito das milícias digitais, que investiga a atuação uma rede articulada para promover pautas antidemocráticas na internet.

Fonte: Notícias ao Minuto Brasil – Politica

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.