Empresas lançam Movimento de Infraestrutura para impulsionar investimentos no país
Economia Vendas do comércio crescem 0,4% de setembro para outubro, diz IBGE
Sonho de Copa: filha usa camisa autografada do Brasil pentacampeão em 2002 para ajudar a mãe se reerguer
POPHAUS: O MAIOR PARQUE DE INFLÁVEIS DA AMÉRICA LATINA CHEGA A BRASÍLIA
Safra de grãos 2022/23 é estimada em 312,2 milhões de toneladas

Idosa de SP cai em golpe de ‘namoro’ com Johnny Depp e tenta reaver R$ 208 mil

Uma mulher de 61 anos moradora de Osasco, na Grande São Paulo, entrou na Justiça para tentar reaver R$ 208,4 mil perdidos para um golpista que se passava pelo ator norte-americano Johnny Depp.

O caso foi divulgado pelo jornalista Rogério Gentile, do portal UOL, e confirmado pela reportagem do Estadão.

A idosa conta no processo que começou a conversar no Instagram com um perfil falso do ator e se “envolveu amorosamente” com o golpista.

A pessoa que se passava por Johnny Depp teria começado a pedir dinheiro para pagar condenações judiciais. Na época, o ator respondia a um processo movido pela ex-mulher, Amber Heard, que o acusou de violência doméstica. O litígio ganhou contornos cinematográficos: as sessões de julgamento eram transmitidas ao vivo com a cobertura dos principais portais de entretenimento.

A defesa diz que a idosa vendeu o carro e a casa para ajudar o golpista. Os valores foram depositados em uma conta bancária apontada como sendo de um “amigo brasileiro” do advogado de Johnny Depp.

O processo é movido contra o Banco do Brasil. A idosa diz que a conta bancária foi “aberta fraudulentamente, facilitando a utilização por terceiros para aplicação do golpe”. Ela pede uma indenização por danos morais e materiais no mesmo valor perdido.

A juíza Clarissa Rodrigues Alves, da 4ª Vara Cível de São Paulo, negou o pedido. A decisão diz que a idosa não conseguiu comprovar que foi vítima de um golpe. Cabe recurso.

“Note-se que a autora anexou aos autos apenas e tão somente os comprovantes de transferência bancária, que por livre e espontânea vontade efetuou, mas não junta o tal perfil do Instagram que a enganou, as conversas que a fizeram ser ludibriada a vender carro e casa para ajudar o suposto fraudador”, escreveu a juíza.

COM A PALAVRA, O BANCO DO BRASIL

“O BB apenas se manifesta nos autos do processo sobre o caso.”

Fonte: Notícias ao Minuto Brasil – Justiça

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *