21.6 C
Distrito Federal
quinta-feira, fevereiro 22, 2024

entenda as expectativas para 2024, com Milei

A Argentina, uma nação sul-americana marcada por sua rica cultura e histórico político conturbado, encontra-se diante de desafios para o ano de 2024. Sob a liderança do recém-empossado presidente Javier Milei, o país enfrenta uma combinação explosiva de estagflação, em que a recessão e a inflação se entrelaçam, prometendo uma montanha-russa econômica.

O que podemos esperar do governo do presidente para 2024? Neste texto, exploraremos as expectativas para o futuro argentino sob o governo de Milei, analisando não apenas os desafios econômicos, mas também os complexos cenários políticos e sociais que se desenham.

Argentina - Javier Milei
Saiba o que esperar do cenário político e econômico da Argentina. | Foto: Freepik.

Panorama econômico e desafios financeiros

As projeções econômicas para a Argentina em 2024 envolvem uma recessão estimada em torno de 3%, uma inflação mensal de dois dígitos, e uma taxa de inflação anual podendo atingir quase 200%.

A classe média enfrenta um processo de empobrecimento, enquanto a moeda nacional, o peso, sofre desvalorizações persistentes. O Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas (Conicet) argentino, uma referência global, comunica que seu orçamento para 2024 será o mesmo de 2023, enfrentando incertezas para o segundo semestre devido à falta de recursos.

Javier Milei, em seu discurso inaugural, introduziu o termo “estagflação” para descrever a situação econômica, indicando que seu governo adotará medidas radicais para lidar com os desafios iminentes. A população argentina, por sua vez, se vê mergulhada na incerteza, sufoco financeiro e medo do futuro, enquanto o presidente atribui os problemas à herança recebida de governos anteriores.

Reações e opiniões populares sobre o governo Milei

As estratégias comunicacionais de Milei, caracterizadas pela antecipação de tempos difíceis e pela responsabilização da situação anterior, geram polarização na sociedade argentina. Alguns cidadãos concordam com as medidas propostas pelo presidente, expressam preocupações sobre a forma como estão sendo implementadas, como o envio de um megadecreto ao Parlamento para reformar mais de 300 leis.

Uma pesquisa da Taquion aponta que 56% dos argentinos desaprovam o decreto de Milei, alegando atropelo ao Congresso e acusando o presidente de autoritarismo. A tensão política aumenta, e o partido de Milei, A Liberdade Avança, precisa se articular com outras forças políticas para evitar que o megadecreto seja derrubado no Legislativo. Sessões extraordinárias no Congresso foram convocadas, prometendo um ano de intensos debates e possíveis confrontos políticos nas ruas.

Desafios políticos e batalhas jurídicas na Argentina

O governo de Milei enfrenta desafios políticos significativos, especialmente em relação ao megadecreto. Com uma minoria no Parlamento, o presidente precisa articular se efetivamente para garantir a aprovação das medidas. A constitucionalidade do processo é questionada, e constitucionalistas argentinos rejeitam a mudança de dezenas de regulações por decreto.

Batalha cultural e questões sensíveis

Além dos desafios econômicos e políticos, o governo Milei planeja iniciar uma batalha cultural, especialmente em questões sensíveis como o aborto e a revisão da última ditadura militar. Enquanto o presidente se opõe à legalização do aborto, seu governo busca instigar um debate sobre os anos de chumbo, promovendo uma visão que, segundo críticos, ecoa a perspectiva militarista de 40 anos atrás.

Expectativas nos mercados financeiros e ajustes econômicos na Argentina

Nos mercados financeiros, os investidores parecem otimistas em relação ao governo de Milei. As expectativas de controle nos gastos públicos e progressos em suas promessas de campanha impulsionam os títulos soberanos e as ações argentinas. O presidente eleito promete uma “terapia de choque” para enfrentar a crise econômica, implementando cortes profundos nos gastos.

No entanto, a realidade econômica é desafiadora, com uma inflação de 143% nos últimos 12 meses, reservas líquidas negativas no banco central e uma significativa parcela da população vivendo na pobreza.

A Argentina enfrenta um cenário complexo em 2024, com desafios econômicos, políticos e culturais. O governo de Javier Milei promete uma abordagem radical para enfrentar a estagflação e revitalizar a economia, mas a resposta da população e a complexidade política indicam um ano tumultuado.

___________________________________
Por Giovana Rodrigues – Redação Fala!

Fonte: R7 – Política

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Pesquisar

Últimas Notícias

Categorias