Petrobras reduz preços da gasolina e do diesel para as distribuidoras
Programa oferece parcelamento para quitar fatura de água em atraso
Saúde abre consulta para incorporar ao SUS vacina pediátrica da Pfizer
Rendimentos do trabalho crescem 2,5% no terceiro trimestre
Bocas de lobo do viaduto da DF-400, na Saída Norte, são desobstruídas

Egídio ou Danilo Barcelos? Fluminense sofre na lateral-esquerda e jogadores comprometem resultados

Lance

Lance Lance

Há três jogos sem vencer no Brasileirão, o Fluminense sente mais uma vez o peso dos erros individuais. Mesmo com mudanças no elenco, algumas posições continuam com problemas de desempenho, como a lateral-esquerda. Antes com Egídio, e agora com Danilo Barcelos, o lado do campo segue sendo um dos principais calcanhares de Aquiles do time.

Na última rodada, o Tricolor dominava o jogo quando, em uma falha de posicionamento e leitura da partida, Danilo Barcelos deixou o espaço livre para Gabriel Pereira marcar o gol da vitória corintiana. O episódio não é novidade: na decisão das quartas de final da Copa do Brasil, o lateral cometeu um pênalti e também comprometeu o resultado da equipe, o que custou a eliminação.

DANILO BARCELOS
Titular desde o jogo contra a Chapecoense, quando Egídio ficou fora da relação por sentir dores, Danilo Barcelos vem marcando presença em campo, nem sempre positiva. No primeiro jogo com público desde o início da pandemia, o desempenho do jogador desagradou a torcida, que vaiou o atleta.

Contestado, os números mostram que o camisa 14 tem feito partidas regulares. No Brasileiro, atuou em 11 jogos, nos quais criou três grandes chances e quatro assistências. Contudo, o problema reside no setor ofensivo. Nos duelos, levou a melhor em 62% das vezes e recuperou a posse de bola em 0.1 ocasião, mas a perdeu em 16.7 vezes. O lateral tem uma média de 1.6 interceptações por jogo. Os dados são do SofaScore Brazil.

> Confira a classificação da Série A do Brasileiro

EGÍDIO
Ainda que Danilo Barcelos não pareça a solução ideal, Egídio também vinha desagradando defensivamente. O antigo titular cometeu um pênalti contra o Criciúma, pela Copa do Brasil, assim como vinha apresentando falhas de marcação. Antes da partida contra a Chape, foi poupado em decorrência do desgaste físico, mas desde então perdeu a posição para o antigo reserva.

O atleta sequer constou na relação das últimas rodadas do Brasileiro. Marcão, técnico do Flu, afirmou que não há nenhum problema com o jogador e que ele pode voltar a ser utilizado.

– São três caras [Egídio, Barcelos e Marlon] em quem a gente tem total confiança. Aquele que a gente achar que está no melhor momento, vamos tentar botar. Não tem problema nenhum com o Egídio, está trabalhando para caramba e estará relacionado em breve. O Egídio tem treinado bem, falei na coletiva passada. É um jogador experiente, mas teve um momento que o Danilo começou a jogar, ficamos seis jogos sem perder, e a gente entendeu que ele manteve a regularidade, ficamos sem perder – disse.

+ Marcão lamenta derrota do Fluminense e fala em trabalhar finalizações: ‘Pecamos no detalhe’

Tendo atuado em 15 jogos do Brasileirão, nos quais criou quatro grandes chances e deu duas assistências. Com a média de uma interceptação por partida, recupera a posse de bola menos de uma vez por jogo, enquanto a perde cerca de 19.2 vezes. Venceu 52% dos duelos e acertou metade dos dribles que tentou.

Desta forma, a volta de Egídio não tranquiliza a torcida, ao passo que a permanência de Danilo Barcelos na lateral-esquerda também não parece ser uma saída. Com apenas oito rodadas pela frente e cada vez mais distante da pontuação do último no G6, zona de classificação para a Libertadores, Marcão tem o desafio de buscar alternativas para reforçar a defesa dentro de campo.

*Estagiária sob a supervisão de Cayo Pereira

Fonte: R7 – Esportes

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *