Brasília se enche de branco e dourado para anunciar 2023
Cerca de 30% da população estavam em situação de pobreza em 2021
Saúde Após dois anos de covid, um em cada quatro jovens não estuda
Após dois meses de queda, indústria cresce 0,3%, revela IBGE
Bloqueio no orçamento das universidades federais é suspenso

Câmara dos Deputados terá quatro parlamentares indígenas

Câmara dos Deputados terá quatro parlamentares indígenas
Imagem: Divulgação

Quatro mulheres indígenas foram eleitas para a Câmara dos Deputados nestas eleições,
de 2022: Sônia Guajajara, eleita pelo Psol de São Paulo; Célia Xakriabá, eleita pelo Psol
de Minas Gerais; Silvia Waiãpi, eleita pelo PL do Amapá e Juliana Cardoso, eleita pelo
PT de São Paulo. Elas assumem o cargo de deputadas federais em 1º de fevereiro de
2023, no dia de início da nova Legislatura do Congresso Nacional. O mandato é de
quatro anos.

O levantamento foi feito com base nas declarações nas candidaturas disponíveis pelo
Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A primeira mulher indígena eleita para a Câmara
Federal é a deputada Joenia Wapichana (Rede-RR), que assumiu o cargo em 2019. No
domingo (2), Joenia Wapichana recebeu 11.221 votos, mas não conseguiu a reeleição.
Antes dela, o primeiro deputado indígena foi Mário Juruna (PDT-RJ), que tomou posse
em 1983.

Sônia Guajajara recebeu 156.966 votos por São Paulo. Ela é do povo
Guajajara/Tentehar, que habita a Terra Indígena Araribóia, no estado do Maranhão,
Brasil. Graduada em letras e enfermagem, fez pós-graduação em educação especial.
Tem histórico de luta pelos direitos dos povos originários e pelo meio ambiente. Em
2022, foi escolhida pela revista Time como uma das 100 pessoas mais influentes do
mundo.

Também por São Paulo, foi eleita Juliana Cardoso, com 125.517. Ela exerceu dois
mandatos como vereadora em São Paulo, atuando com os movimentos sociais e
populares da cidade.

Já Célia Xakriabá recebeu 101.154 votos em Minas Gerais. É mestra em
desenvolvimento sustentável pela Universidade de Brasília e doutoranda em
antropologia pela Universidade Federal de Minas Gerais. É uma das fundadoras da
Articulação Nacional das Mulheres Indígenas Guerreiras da Ancestralidade. Na
Secretaria de Educação de Minas Gerais, colaborou com a abertura de escolas indígenas
e quilombolas e a reabertura de escolas do campo em todo o estado.

Silvia Waiãpi recebeu 5.435 votos no Amapá. Ela é atriz, militar, fisioterapeuta e
política brasileira.

Com elas, a Câmara dos Deputados passará a ter 91 deputadas a partir do ano que vem.
Segundo a Agência Câmara, a bancada feminina é maior do que a eleita em 2018, de 77
mulheres. As mulheres vão representar 17,7% das cadeiras da Câmara dos Deputados.
Hoje a representação é de 15%.

 

Indígenas eleitos no Brasil 

Ao todo, foram 171 candidaturas de indígenas consideradas aptas pelo TSE nestas
eleições, para todos os cargos em disputa, segundo os dados do TSE. Além das

deputadas federais, também foram eleitos os candidatos indígenas Paulo Guedes (PT-
MG), como deputado federal; Wellington Dias (PT-PI), como senador e Hamilton
Mourão (Republicanos-RS), também como senador.

A nível estadual, foi eleito Lucinio Castelo de Assumção, o Capitão Assumção (PL-ES),
como deputado estadual e Amanda Brandão Armelau, a Índia Armelau (PL-RJ), como
deputada estadual.

De acordo com o último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
(IBGE), de 2010, os mais de 300 povos somam cerca de 820 mil pessoas no Brasil, que
representam cerca de 0,5% da população brasileira.

No mundo, de acordo com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento
(Pnud), os indígenas são cerca de 5% da população mundial e são líderes na proteção do
meio ambiente. Essa população, mundialmente, têm a maior probabilidade de serem
vulneráveis, representam 15% dos mais pobres.

 

*Fonte: Agência Brasil

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *