Drenar-GDF-300x250-GIF
Programa oferece até R$ 21 mil de crédito para empreendedores negros
Governo lança programa para reduzir filas no sistema de saúde
UNE quer construir agenda com reivindicações ao governo federal
Anvisa fará webinar sobre novas regras de reprodução humana assistida
Mercado financeiro eleva projeção da inflação de 5,74% para 5,78%

Policial da reserva ameaça matar aluno em colégio cívico-militar no PR, diz Procuradoria

KATNA BARAN
CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) – Um policial militar da reserva foi denunciado pelo Ministério Público do Paraná por suspeita de agressão e ameaça contra um adolescente de 14 anos, aluno de um colégio cívico-militar do estado. A denúncia foi apresentada nesta quinta-feira (9), mas o caso ocorreu há cerca de um mês, em Imbituva, a cerca de 180 km de Curitiba.

Outro policial da reserva, o diretor militar da escola também foi denunciado por supostamente ter ameaçado o adolescente e tentado acobertar o caso envolvendo o monitor do colégio.

Segundo a denúncia, o estudante teria desenhado uma folha de maconha e escrito a frase “vida louca” em uma das carteiras do colégio. No dia seguinte, o monitor militar interrompeu a aula e determinou que o aluno buscasse com ele material de limpeza para remover a pichação.

No trajeto, o PM da reserva teria ameaçado o estudante, afirmando “que já tinha matado vários e que ele não iria fazer diferença”, e ainda o agredido fisicamente com um soco na nuca. Ao retornarem para a sala de aula, o monitor ainda teria submetido a vítima a constrangimento, obrigando-a a limpar a carteira na presença dos demais colegas de classe e da professora.

O aluno relatou o ocorrido à administração da Casa Lar -uma espécie de orfanato-, onde ele vive. Então, agentes da entidade procuraram a direção do colégio. Durante uma reunião, o monitor e o diretor teriam solicitado que o caso não fosse reportado às autoridades, como seria de praxe em uma situação envolvendo menores em risco.

“Eles então procuraram a Secretaria da Assistência Social, que é como se fosse a chefia da Casa Lar, para tentar amenizar a situação perante o Ministério Público. Nessa reunião com a secretária, houve uma segunda ameaça ao adolescente, dessa vez pelo diretor”, relatou a promotora Caroline Mezzaroba, responsável pelo caso.

Segundo ela, no encontro, o diretor teria afirmado que sabia de um caso de uma criança da Casa Lar que tinha colocado fogo no carro do conselho tutelar. “Deus o livre se fizer isso com meu carro, ainda bem que não tenho porte de arma”, teria dito o diretor, insinuando, segundo a Promotoria, que o adolescente poderia morrer com um tiro, caso ele tivesse uma arma.

Ainda de acordo com a promotora, até que a investigação fosse aberta pelo Ministério Público, não havia registros de procedimento disciplinar para apurar o caso.

“A escola, que era o local para que o adolescente se sentisse acolhido, respeitado e estimulado, foi o local em que ele recebeu outra violência”, afirmou Mezzaroba.

O monitor foi denunciado pelos crimes de ameaça, vias de fato, violência arbitrária -por ter praticado violência em estabelecimento militar no exercício da função- e submissão do adolescente a constrangimento. O diretor também responderá por ameaça e prevaricação, por ter deixado de apurar eventual ilícito por parte do monitor.

Ambos também foram denunciados por corrupção passiva por terem tentado acobertar o caso.
A Secretaria da Educação do Paraná afirmou que o monitor e o diretor foram afastados e que o colégio não possui militares atuando no momento. De acordo com a pasta, o caso foi encaminhado para a Secretaria de Segurança Pública, responsável pelos militares que atuam nas escolas. Questionada, a pasta não respondeu o contato da Folha até o fechamento da reportagem.

A Folha não conseguiu contato com as defesas dos policiais. A reportagem também tentou contato com a direção do colégio, mas não obteve resposta.

O modelo cívico-militar foi implantado no início de 2021 em 199 escolas estaduais espalhadas por 117 cidades do Paraná, após uma consulta pública com as comunidades. A proposta dividiu opiniões e foi criticada especialmente por entidades que representam os professores.

A Secretaria da Educação vendeu o projeto como o maior do tipo no país, atingindo mais de 100 mil alunos do ensino médio e do fundamental 2 (6º ao 9º ano). Ao incluir civis, a proposta difere da defendida pelo governo Jair Bolsonaro, que tem investido em colégios militares, mas tem outros pontos de semelhança.

No caso paranaense, a gestão é compartilhada entre civis (professores) e militares (responsáveis pela infraestrutura, patrimônio, finanças, segurança, disciplina e atividades cívico-militares) -a proposta federal prevê participação dos militares também em atividades didáticas.

As instituições de ensino funcionam em regime de cooperação entre as Secretarias da Educação e da Segurança Pública. Há um diretor-geral e um diretor-auxiliar civis, além do diretor cívico-militar e de dois a quatro monitores militares, conforme o tamanho do colégio.

Este não é o primeiro caso de investigação envolvendo militares que atuam em escolas do Paraná. No dia 27 de agosto, um policial da reserva que integrava a equipe de uma escola em Francisco Beltrão, sudoeste do estado, foi preso sob suspeita de abusar de alunas.

Com o militar, foram encontrados celulares, notebook, um colete balístico e 265 munições de diversos calibres. Como o caso envolve menores, o nome do suspeito, da instituição e mais detalhes da investigação não foram revelados.

O caso está sendo investigado pela Justiça Militar.
Na ocasião, a Secretaria da Educação informou que o militar foi afastado das funções em 23 de agosto. Questionada sobre o andamento das investigações, a Secretaria de Segurança não retornou o contato.

Compartilhe este conteúdo!

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *