19.6 C
Distrito Federal
segunda-feira, abril 15, 2024

Após determinação de Lula, ministro visita áreas atingidas por enchentes no Acre – Notícias

Após determinação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ministro da Integração e do Desenvolvimento Regional, Waldez Góes, vai visitar na próxima segunda-feira (4) o Acre, estado que decretou situação de emergência depois de ao menos 17 cidades serem tomadas por inundações. Mais de 11 mil pessoas foram afetadas na capital e mais de 5 mil estão desabrigadas em toda a região.

“Na próxima segunda-feira irei ao Acre, numa força-tarefa do governo federal para assistência à população atingida pelas enchentes”, disse Góes. O ministro da Integração contou que membros de outras pastas, como Meio Ambiente, Defesa, Saúde e Desenvolvimento e Assistência Social, também vão participar da agenda.

Góes afirmou que a Defesa Civil já atua no estado, “ajudando a preparar os planos de trabalho para as ações de assistência, de restabelecimento e de reconstrução necessárias ao povo acreano”. “Desde o início das enchentes trabalhamos junto com os governos do Estado, as prefeituras e a bancada parlamentar do Acre”, finalizou o titular.

O Acre decretou situação de emergência após pelo menos 17 cidades serem tomadas por inundações. O objetivo é facilitar o acesso a recursos federais e a medida tem validade de 180 dias. A capital, Rio Branco, registrou enchentes em ao menos 30 bairros, mais de 11 mil pessoas foram atingidas e mais de cinco mil estão desabrigadas em todo o estado. 

As enchentes foram causadas por transbordamentos de rios e igarapés. A situação é mais crítica em Rio Branco, Assis Brasil, Brasileia, Cruzeiro do Sul, Epitaciolândia, Jordão, Santa Rosa do Purus, Tarauacá e Xapuri.  Em Jordão, por exemplo, com aproximadamente 9 mil habitantes, 80% da população foi atingida pelas águas do Rio Tarauacá.

No dia 28 de fevereiro, dados da Defesa Civil Estadual registraram a maior marca do Rio Acre na cidade de Brasileia. De acordo com o governo, chegou a 15,56 metros e ultrapassou a cheia histórica de 2015, quando alcançou 15,55 metros. Uma das áreas mais críticas era o bairro Leonardo Barbosa, que corria o risco de romper e ficar ilhado no lado boliviano. No local vivem aproximadamente 400 famílias, um total de 1,6 mil pessoas, e 186 indígenas. O ministro deve visitar a área.

Fonte: R7 – Brasília

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Pesquisar

Últimas Notícias

Categorias