Primeiro turno teve diminuição de votos brancos e nulos, diz TSE
IPC-S registra inflação de 0,02% em setembro, diz FGV
Metade dos brasileiros abandonam o tratamento ainda no primeiro ano
Micro e pequenas empresas criaram mais de 70% dos empregos de agosto
Condutores de máquinas agrícolas agora devem portar registro

UBSs reforçam atendimento de hidratação a pacientes com dengue

Imagem: Sandro Araujo

Todas as unidades básicas de saúde (UBSs) contam com salas de hidratação para atendimento dos pacientes diagnosticados com dengue. E, de acordo com a demanda, também são montadas tendas na área externa das UBSs.

Como os casos de dengue aumentaram neste ano, a procura por esse tipo de atendimento também subiu. Com as salas de hidratação e as tendas, o objetivo é que o paciente receba todo o suporte perto de casa, indo aos hospitais somente em casos mais graves.

Vale ressaltar que as tendas só são utilizadas se as salas de hidratação para dengue no interior das unidades não tiverem mais capacidade de atendimento. Na Região de Saúde Norte, das 36 UBSs, 26 possuem tendas. Na Região de Saúde Sul, das 20 UBSs, 14 contam com tendas. Na Região Central, uma tenda será montada na próxima semana. Já na Região de Saúde Sudoeste, são três unidades básicas de saúde com tendas destinadas para pacientes com dengue e, na Região Oeste, duas.

Os medicamentos e insumos necessários para utilização no tratamento de dengue ficam guardados na sala de medicação das UBSs, a fim de evitar qualquer tipo de exposição ou contaminação no ambiente externo.

Atendimento

A aposentada Lúcia Baldomir estava na UBS 1 de Sobradinho com a filha, a universitária Fernanda Baldomir. As duas foram diagnosticadas com a dengue na última semana e, desde então, são acompanhadas pela unidade de saúde. Lúcia está na fase final da doença e não precisa mais de hidratação venosa, mas a filha ainda necessita.

“Essa foi a primeira vez que peguei dengue. Estou sendo muito bem atendida aqui, foi muito rápido, a equipe é muito gentil, tomei cerca de 1 litro de soro assim que cheguei. Mas, como minhas plaquetas continuam baixas, tive que retornar para hidratar”, relata Fernanda.

De acordo com a mãe da estudante, as duas sempre tiveram o maior cuidado dentro de casa, não deixam acumular água parada de forma alguma. No entanto, ao lado da casa delas há um terreno baldio com mato alto, esgoto, lixo e resto de materiais de construção.

“Acredito que tenha mosquito da dengue no lote vizinho, pois lá tem água parada e tudo que pode servir como criadouro para o mosquito. Fazemos a nossa parte, já informamos a Vigilância Ambiental, que vai notificar os donos do imóvel para tomarem providência. Cada um tem que fazer a sua parte para evitar que o mosquito se prolifere”, adverte.

*Com informações da Secretaria de Saúde

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.