Uerj abre inscrições para o vestibular
Venda de veículos tem alta de 19,33% em setembro, diz Fenabrave
Hospital de Ceilândia vai ganhar reforma de R$ 11 milhões
Brasília recebe torneio internacional de tênis a partir desta sexta (7)
Governo reformou e construiu mais de 200 praças no Distrito Federal

Queiroga confirma suspensão de vacina para adolescentes

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, confirmou em coletiva na tarde desta quinta-feira (16) que o governo federal decidiu suspender a recomendação de vacinar irrestritamente adolescentes entre 12 e 17 anos. Agora, a orientação do Ministério é que só sejam vacinadas pessoas nessa faixa etária com deficiências permanentes, comorbidades ou privadas de liberdade.

Em 2 de setembro, o Ministério havia publicado uma nota informativa recomendando a vacinação de todo esse público. Durante a coletiva, Queiroga afirmou que “de forma intempestiva” quase 3,5 milhões de crianças e adolescentes entre 12 e 17 anos receberam a vacina. Desse total, 1,5 mil apresentaram eventos adversos.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga Walterson Rosa/MS – 09.09.2021

A crítica do chefe da pasta é que os estados iniciaram as aplicações antes da data prevista na nota técnica anterior. Secretários de Saúde demonstraram surpresa pela suspensão da imunização de crianças e adolescentes sem uma deliberação tripartite. “Quem fica surpreso sou eu. Porque a vacinação deveria iniciar no dia 15 [de setembro] e, inclusive, foram feitas imunizações com vacinas fora das recomendações da Anvisa.”

O ministro explicou que a mudança foi feita “por conta dos eventos adversos e porque o próprio Reino Unido retirou […]. A evidência científica não é sólida”. Questionado pelo R7 sobre o motivo de ter recomendado a aplicação em toda a faixa etária anteriormente, mesmo sem as mencionadas evidências científicas, Queiroga justificou: “a decisão pode ser baseada em especialistas. A medicina e a ciência são dinâmicas e a posição das autoridades regulatórias sanitárias pode mudar”, disse, exemplificando com a suspensão anterior da vacina AstraZeneca no caso das gestantes. 

Queiroga afirmou, ainda, que aqueles adolescentes que já tomaram a primeira dose não devem completar o esquema vacinal, exceto se fizerem parte dos grupos prioritários. A nova orientação vale “até que se tenha mais evidências para seguir adiante.”

Os adolescentes com comorbidades que receberam a primeira dose da vacina que não a da Pfizer também terão o esquema vacinal interrompido, segundo a recomendação do Ministério. “Não vou autorizar intercambialidade de doses nessa faixa etária”, disse Queiroga.

Governos locais

Depois da nova recomendação, que foi divulgada pela imprensa na manhã de hoje, Natal e Salvador já anunciaram a suspensão.

No Distrito Federal, o governador Ibaneis Rocha (MDB) afirmou ao R7 está suspenso o início da vacinação contra a Covid-19 para adolescentes a partir de 13 anos. O recuo veio minutos depois do anúncio da ampliação da campanha para essa faixa etária nesta sexta-feira (17). Ele confirmou a informação via Twitter:

Segundo Ibaneis, está prevista para esta sexta-feira (17) uma reunião com o Ministério da Saúde, que deve orientar sobre o prosseguimento da imunização para esse público. O chefe do Executivo assegurou que adolescentes de 14 e 15 anos continuarão a ser imunizados na capital federal.

No Estado de São Paulo, a vacinação de adolescentes continua. O governador João Doria fez o anúncio via Twitter:

O governo de Goiás disse, em nota, que não pretende interromper a vacinação. “Em Goiás, por enquanto, a vacinação de adolescentes de 12 a 17 anos, por ordem decrescente de idade, segue sem alterações, ou seja, não há suspensão da aplicação da vacina Pfizer na população deste grupo etário no Estado.”

A Prefeitura de Belo Horizonte (MG), por meio da Secretaria Municipal de Saúde, informou que segue as orientações do Programa Nacional de Operacionalização da Covid-19, que revisou a recomendação para imunização contra a Covid-19 em adolescentes de 12 a 17 anos. Até o momento, a cidade vacinou apenas os adolescentes com comorbidades e deficiência permanente e vai seguir a determinação do Ministério da Saúde.

Nova recomendação

O documento com a nova orientação, que consta no Sistema Eletrônico de Informação (SEI), diz que a “Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, na Nota Técnica nº 40/2021-SECOVID/GAB/SECOVID/MS, revisou a recomendação para imunização contra COVID-19 em adolescentes de 12 a 17 anos, restringindo o seu emprego somente aos adolescentes de 12 a 17 anos que apresentem deficiência permanente, comorbidades ou que estejam privados de liberdade, apesar da autorização pela Anvisa do uso da Vacina Cominarty (Pfizer/Biontech).”

Entre as justificativam que constam no documento para a não imunização do grupo estão: a Organização Mundial de Saúde não recomenda a imunização de criança e adolescente, com ou sem comorbidades; a maioria dos adolescentes sem comorbidades acometidos pela Covid-19 apresentam evolução benigna, apresentando-se assintomáticos ou oligossintomáticos; somente um imunizante foi avaliado em ECR; os benefícios da vacinação em adolescentes sem comorbidades ainda não estão claramente definidos.

O documento tem assinatura de Rosana Leite de Melo, secretária extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, e foi assinado eletronicamente em 15 de setembro, às 21h30.

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.