Inflação para famílias de renda mais baixa cai 0,60%
IPCA tem deflação de 0,68% em julho, menor taxa da série histórica
Anvisa proíbe uso do fungicida carbendazim em produtos agrotóxicos
Caminhoneiros recebem auxílio com parcela dobrada
Estudo mostra alta da pobreza em regiões metropolitanas

PF investigará pré-candidato do Novo por crime de gênero em evento de Manuela d’Ávila

MÔNICA BERGAMO (FOLHAPRESS) – A Polícia Federal abriu um inquérito para apurar se o pré-candidato a deputado pelo Partido Novo em São Paulo Lucas Pavanato cometeu crime de violência política de gênero.

O episódio teria ocorrido em evento de lançamento do livro “Sempre Foi sobre Nós”, da ex-deputada federal Manuela d’Ávila (PC do B), na PUC-SP, em abril deste ano. Ela participava de debate sobre violência de gênero na política, tema da obra publicada.

O público era majoritariamente feminino. Também estavam presentes a deputada estadual Isa Penna (PC do B) e a ex-presidente da UNE (União Nacional dos Estudantes) Carina Vitral.

Pavanato foi ao local e abordou mulheres que estavam lá para questioná-las sobre o assunto. As imagens foram editadas e compiladas em um vídeo publicado no YouTube, intitulado “Debati com as feministas e apanhei???”.

Em um dos trechos, o pré-candidato perguntou a uma participante se ela achava “que uma mulher deve se sujeitar e ficar abaixo de um homem” na sociedade.

Diante da resposta negativa, ele questionou: “O que você acha do fato da Manuela [d’Ávila] ter sido vice do [Fernando] Haddad? Ela ficou abaixo de um homem”, se referindo ao pleito de 2018, em que ela foi vice na campanha do petista à Presidência.

O inquérito foi instaurado por determinação do Ministério Público Eleitoral a partir de uma denúncia feita pela defesa da ex-presidente da UNE Carina Vitral. Segundo o escritório Caires, Marques e Mazzaro Advogados, que a representa, o episódio “atenta contra a coletividade de mulheres, contra a paz pública e contra o Estado democrático de Direito”.

Procurado, Pavanato diz que ficou surpreendido com a abertura do inquérito. “No evento mencionado, questionei os presentes como acredito ser direito democrático de todos. Me parece muito uma tentativa de censura”, afirma.

A denúncia enviada destaca que as edições das imagens foram “feitas para que as mulheres que aparecem no vídeo tenham sua imagem inferiorizada, como sendo ‘burras’, néscias, incoerentes e incompetentes para responder aos questionamentos” do pré-candidato.

O conteúdo, segue o documento, “demonstrou o intento do noticiado [Pavanato] de valer-se da condição de mulher daquelas pessoas que ofendeu para criar uma polarização. De um lado, estaria o noticiado, do outro, as feministas na política”.

A manifestação ressalta ainda que o livro escrito por d’Ávila conta justamente com depoimentos de mulheres que sofreram violência de gênero na política. Os ataques à ex-deputada federal Manuela d’Ávila (PC do B) e à sua família foi um dos fatores que levou a ex-parlamentar a não se candidatar neste ano.

Como mostrou o jornal Folha de S.Paulo, a eleição deste ano será a primeira com uma lei sobre violência política de gênero em vigor.

Aprovada no ano passado, a lei 14.192 estabelece que é crime assediar, constranger, humilhar, perseguir ou ameaçar uma candidata, com menosprezo ou discriminação à condição de mulher ou ainda à sua cor, raça ou etnia. A lei também vale para mulheres que já ocupam cargos eletivos.

A punição é de até quatro anos de prisão e multa. Se a violência ocorrer pela internet e em redes sociais, a pena pode chegar a seis anos.

Fonte: Notícias ao Minuto Brasil – Politica

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.