Uerj abre inscrições para o vestibular
Venda de veículos tem alta de 19,33% em setembro, diz Fenabrave
Hospital de Ceilândia vai ganhar reforma de R$ 11 milhões
Brasília recebe torneio internacional de tênis a partir desta sexta (7)
Governo reformou e construiu mais de 200 praças no Distrito Federal

ONU: Bolsonaro e ministros decolam para os EUA

Avião presidencial decolou da Base Aérea de Brasília

Avião presidencial decolou da Base Aérea de Brasília Sd A. Soares/Força Aérea Brasileira – 5.2.2020

O avião com o presidente da República, Jair Bolsonaro, e a comitiva incluindo oito ministros, a primeira-dama e o filho 03, Eduardo Bolsonaro, decolou, neste domingo (19), às 9h08, em direção a Nova York (EUA). O pouso está programado para as 16h30, no horário de Brasília. O objetivo da viagem é a participação do chefe de Estado brasileiro na 76ª Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), que deverá abrir a roda de discursos entre os líderes.

Bolsonaro deixou o Palácio da Alvorada às 8h26, em direção à Base Aérea de Brasília, de onde o voo decolou. Acompanham o presidente oito ministros: Carlos França (Relações Exteriores), Anderson Torres (Justiça e Segurança), Paulo Guedes (Economia), Marcelo Queiroga (Saúde), Joaquim Leite (Meio Ambiente), Gilson Machado (Turismo), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria-Geral) e Augusto Heleno (Segurança Institucional).

Também fazem parte da comitiva escalada pelo presidente o secretário especial de Assuntos Estratégicos, Flávio Rocha, o embaixador do Brasil nos EUA, Nestor Forster, o representante do Brasil junto às Nações Unidas, Ronaldo Costa, e o presidente da Caixa, Pedro Guimarães. Entre os familiares do presidente viajam a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, e o filho 03 do presidente, o deputado Eduardo Bolsonaro.

Programação

O presidente chegará em Nova York dois dias antes do início da Assembleia-Geral da ONU. Nesta segunda-feira (20), ele participa de um encontro com o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson. Na agenda oficial, Bolsonaro terá pouco mais de 30 minutos com o representante inglês, a partir das 11h40. Já à noite, a comitiva participa de uma recepção oferecida pelo representante permanente do Brasil junto às Nações Unidas. 

Na terça (21), é Bolsonaro quem abre a roda de discussões da ONU entre os chefes das nações, mantendo a tradição de iniciar as falas pelo representante brasileiro. Em seguida, discursa o presidente dos EUA, Joe Biden. 

Mesmo não vacinado, o mandatário brasileiro não terá problemas para cumprir a agenda oficial na ONU, já que as regras estabelecidas pela prefeitura de Nova York, exigindo comprovante de vacinação para circular em prédios públicos, não se aplica a ONU. Isso porque a organização é considerada território internacional, portanto não está sujeita às regras de nenhum país.

Aos diplomatas e membros de comitivas, o presidente da Assembleia-Geral, Abdulla Shahid, encaminhou comunicado reiterando que “a prova de vacinação é exigida para certas atividades em ambientes internos, incluindo a sede das Nações Unidas”. Apesar da exigência não se estender aos chefes de Estado, a circulação de Bolsonaro ficará limitada perante às exigências da Prefeitura de Nova York.

Diante do impasse, a volta do presidente da República está marcada para a própria terça (21), ainda que o evento se estenda até dia 27 de setembro. Bolsonaro tem reiterado que não tomará a vacina contra a covid-19 até que toda a população brasileira esteja imunizada. 

Expectativa do discurso

O presidente da República já adiantou que irá usar o espaço de visibilidade internacional para se posicionar contra o novo marco temporal. Bolsonaro pressiona para que sejam mantidas as demarcações de terras indígenas com base nas delimitações antes da promulgação da Constituição Federal, em 1988. Lideranças indígenas e ambientalistas criticam a medida, alegando que a restrição pode retirar povos indígenas das terras onde atualmente habitam.

“Esse novo marco não só abala nosso agronegócio como coloca em risco a segurança alimentar no Brasil e no mundo”, disse, durante evento em Minas Gerais, na última sexta-feira (17). Ainda que trazendo o tema polêmico, o Itamarty trabalhou, em conjunto com o Planalto, na elaboração de um discurso mais ameno, com foco na necessidade de se cumprir as metas estabelecidas na Cúpula do Clima.

O objetivo é melhorar a imagem do Brasil junto às lideranças internacionais. Por isso, a fala não deve seguir o mesmo tom adotado 2019. Na primeira vez na ONU, Bolsonaro fez críticas à esquerda e trouxe referências religiosas. Ainda, responsabilizou interesses econômicos estrangeiros pelo desmatamento da Amazônia.

 

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.