Fies: pré-selecionados devem enviar informações até esta sexta-feira
Pesquisa aponta redução de 404 mil trabalhadores no comércio em 2020
Pesquisa delineia possibilidades para um segundo turno no DF
Caso seja reeleito, Ibaneis pretende manter modelo do Iges-DF
Movimentação de cargas cresce 2,3% no trimestre no Porto de Santos

MP propõe mudança de denúncia contra acusado de atacar prédio do Porta dos Fundos

Fachada do Ministério Público do Rio de Janeiro

Fachada do Ministério Público do Rio de Janeiro MPRJ/Divulgação

O Ministério Público do Rio de Janeiro propôs a alteração do crime pelo qual responde o suspeito de jogar coquetéis molotov na fachada da produtora Porta dos Fundos. O órgão pediu à Justiça que o economista Eduardo Fauzi Richard Cerquise, de 41 anos, responda pelo crime de causar incêndio em vez de tentativa de homicídio, o que pode reduzir a pena em até cinco vezes. 

O pedido foi protocolado na sexta-feira (15) e está relacionado à redistribuição do processo, após o juiz da 3ª Vara Criminal do Rio entender que a conduta de Fauzi “não representou crime doloso contra a vida”. A pena máxima para homicídio tentado é de 30 anos, enquanto o por causar incêndio pode chegar a seis. 

Agora, o pedido de alteração está nas mãos da 35ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e caberá ao juiz decidir se aceita ou não. 

Essa não foi a primeira mudança no processo. Inicialmente, o economista era réu por terrorismo e incêndio, o que poderia levá-lo a 30 anos de prisão. No entanto, o desembargador Marcello Ferreira Granado, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, retirou a acusação de crime de terrorismo. O Ministério Público Federal recorreu, mas, com a mudança, o processo desceu de instância. 

Relembre o caso

Fauzi é acusdado de cometer um atentado contra a produtora Porta dos Fundos, na véspera do Natal de 2019. Ele foi um dos cinco responsáveis por arremessar coquetéis molotov no interior do prédio, segundo a denúncia. Por ser o único sem máscara, foi o primeiro a ser identificado pela polícia.

O economista deixou o país dias depois do atentado com destino à Rússia e só foi capturado em setembro de 2020, por agentes da Interpol, e extraditado para o Brasil. Atualmente, ele está preso preventivamente no Presídio José Frederico Marques, no Rio de Janeiro, e teve o relaxamento negado em audiência de custódia. 

Fonte: R7 – Brasília

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Últimas Notícias:

vacina