Drenar-GDF-300x250-GIF
Construção civil de alto padrão acredita no crescimento do mercado em 2023
DA DESISTÊNCIA DA AÇÃO DE MANDADO DE SEGURANÇA A QUALQUER TEMPO, RECENTE DECISÃO DO STJ
GDF cria grupo de trabalho para modernizar sistemas de gestão de saúde
Fachin prorroga prazo para plano de proteção de indígenas isolados
Estudo encontra dez novas espécies de leguminosas

Milicianos incendeiam vans em guerra na zona oeste do Rio

Pelo menos oito vans foram incendiadas na zona oeste do Rio na manhã desta quinta-feira, 16. Os casos foram registrados em bairros como Campo Grande e Santa Cruz, áreas que são dominadas por grupos milicianos. Devido aos ataques, a circulação de vans na região foi suspensa e há redução na oferta de ônibus – e os que circulam pela região tiveram seus itinerários alterados.

A Polícia Militar informou que equipes de todos os batalhões da região estão fazendo patrulhamento nas principais vias e sobrevoando a área para impedir novos ataques.

Nas redes sociais, moradores desses bairros registram que houve intenso tiroteio, inclusive em direção a um grupo de mototaxistas. No fim da manhã, a TV Globo relatava três mortos.

O Estadão entrou em contato com a Polícia Militar, que ainda não confirmou os casos.

O ataque desta quinta-feira, 16, teria sido provocado por integrantes – e dissidentes – da maior milícia do Rio, que rachou após a morte do líder do grupo, em junho.

Wellington da Silva Braga, o Ecko, era considerado o criminoso mais procurado do Estado e foi morto em 12 de junho durante ação da Polícia Civil. Naquele dia, ele foi baleado no início da manhã quando visitava a mulher e os filhos na Comunidade das Três Pontes, em Paciência, também na zona oeste.

Com a morte de Ecko, um racha no grupo se formou. Um deles passou a ser comandado por Luis Antônio da Silva Braga, o Zinho, irmão de Ecko. Outro ficou sob as ordens de Danilo Dias Lima, conhecido como Tandera. Seriam eles os envolvidos nos incêndios e tiroteios desta manhã.

Compartilhe este conteúdo!

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *