Drenar-GDF-300x250-GIF
Construção civil de alto padrão acredita no crescimento do mercado em 2023
DA DESISTÊNCIA DA AÇÃO DE MANDADO DE SEGURANÇA A QUALQUER TEMPO, RECENTE DECISÃO DO STJ
GDF cria grupo de trabalho para modernizar sistemas de gestão de saúde
Fachin prorroga prazo para plano de proteção de indígenas isolados
Estudo encontra dez novas espécies de leguminosas

Líder do PCC e do tráfico em Paraisópolis deixa prisão federal no Paraná

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O homem apontado pela polícia paulista como um dos principais chefes do PCC e como líder do tráfico de drogas na favela de Paraisópolis, na zona sul de São Paulo, foi colocado em liberdade nesta quinta-feira (9). As forças de segurança paulistas estão atentas para o retorno dele ao Estado, por ser considerado um dos mais radicais chefes da facção criminosa.

Francisco Antonio Cesário da Silva, o Piauí, estava preso na penitenciária de segurança máxima de Catanduvas (PR) e deixou a unidade no final da tarde acompanhado por um advogado, segundo setores de inteligência do Ministério Público de São Paulo.

Silva conseguiu diminuir sua pena de extorsão mediante sequestro graças à leitura de livros e à participação em cursos dentro da prisão. Ele estava preso desde 2008 e cumpria pena no sistema federal desde 2012. Na ocasião, ele foi transferido a pedido governo paulista depois que órgãos de inteligência o apontaram como mandante do assassinato de policiais.

Piauí não é o primeiro líder do PCC a deixar uma prisão pela porta da frente. A lista inclui, entre outros, André de Oliveira Macedo, o André do Rap, e Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue -o primeiro está foragido, enquanto o segundo foi morto durante uma guerra interna da facção.

O promotor Lincoln Gakiya, especialista em PCC, disse que Piauí é uma liderança importante da facção, sendo o primeiro preso paulista enviado para o sistema federal.

“A soltura dele representa um perigo muito grande. É um indivíduo que teve e tem contato com a liderança do PCC, com Marcola e demais lideranças da facção que estavam no sistema federal. Agora, solto, poderá assumir novas funções na rua para o PCC”, disse ele.

“Ele tem um poder econômico elevado, atendido por dezenas de advogados particulares”, afirmou o promotor. Ainda segundo Gakiya, o Ministério Público de São Paulo desconhece outra condenação de Piauí -ou seja, não há nenhum impedimento legal para que ele seja solto.

De acordo com o colunista do UOL Josmar Jozino, especialista em crime organizado, a Justiça Federal informou em 2019 que Piauí recebeu 44 visitas de advogados no período entre maio de 2015 e janeiro de 2017, mesmo sem possuir fonte de renda na época.

O texto também afirmava que ele tinha cometido cinco faltas graves durante o período que esteve preso. Além de Catanduvas, Piauí passou pelos presídios de Mossoró (RN), Porto Velho (RO) e Campo Grande (MS). Nos dois últimos, chegou a liderar greves de fome dos presos, o que fez com que fosse colocado no RDD (Regime Disciplinar Diferenciado), o mais rigoroso do sistema prisional brasileiro.

Para o sociólogo Luis Flavio Sapori, professor da PUC Minas e especialista em segurança pública, a legislação de execução penal no Brasil é muito mais leniente do que em outros países e coloca poucos empecilhos para a progressão de regime.

“A perspectiva da lei prevalecente é favorecer o máximo possível o retorno do preso ao convívio social. Isso é relevante e justificável, mas para presos com trajetória criminal menos grave, e não para presos ligados a organizações criminosas”, afirma ele.

“A segurança pública paga um preço muito alto por essa ausência de critérios legais mais rigorosos para a liberação de indivíduos envolvidos no crime organizado”, finaliza Sapori.

Além das ordens para o assassinato de policiais em 2012, a polícia afirma que Piauí também teria ordenado de dentro da prisão um tumulto na favela de Paraisópolis que durou ao menos três dias em 2009.

A reportagem não conseguiu contato com o advogado de Piauí.
Procurado, o Tribunal de Justiça de São Paulo informou que a competência para a execução de pena de Silva é da Justiça Federal do Paraná, onde ele cumpria pena.

“Dessa forma, no período que esteve nessa unidade, decisões de remição, progressão e outros benefícios foram proferidas pelo juízo da Seção de Execução Penal de Catanduvas”.

Ainda segundo o TJ, antes da apreciação de extinção da punibilidade por cumprimento de pena e expedição de alvará de soltura, o juízo federal consultou a a Justiça paulista, para verificar eventual pendência de novas ordens de prisão. “O Deecrim, em despacho de 30/8, informou que não havia impedimento para eventual soltura do sentenciado no processo de execução originário”.

Compartilhe este conteúdo!

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *