Drenar-GDF-300x250-GIF
Programa oferece até R$ 21 mil de crédito para empreendedores negros
Governo lança programa para reduzir filas no sistema de saúde
UNE quer construir agenda com reivindicações ao governo federal
Anvisa fará webinar sobre novas regras de reprodução humana assistida
Mercado financeiro eleva projeção da inflação de 5,74% para 5,78%

Índice que reajusta contrato de aluguel deve fechar ano em 20%

Donos de imóveis e inquilinos devem manter negociação de valor do aluguel

Donos de imóveis e inquilinos devem manter negociação de valor do aluguel Jens Neumann/Pixabay

O IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado), indicador utilizado para reajustar os contratos de aluguel, caiu 0,64% no mês de setembro, de acordo com a FGV (Fundação Getulio Vargas).

A pequena queda, no entanto, não deve permanecer nos próximos meses e a previsão é de que o índice feche o ano em torno de 20%.

A variação negativa do IGP-M em setembro foi pontual e não generalizada, de acordo com o economista André Braz, coordenador do IPC do FGV IBRE.

A queda foi influenciada pelo preço da commodity minério de ferro que nos últimos dias caiu cerca de 20%. É uma mercadoria que tem um peso muito grande no IPA, que é o índice carro-chefe do IGP-M, e por não ser um recuo generalizado, não deve ficar num terreno negativo por muitos meses.

André Braz

Para o economista, o motivo é simples: já há um sinal de recuperação do preço no mercado internacional do minério de ferro. “Em outubro o IPA já deve registrar alguma alta devolvendo parte desta queda.”

Braz pontua que apesar de não ser uma tendência de queda, o IGP-M deve continuar desalecerando “porque no ano passado nós tivemos uma desvalorização cambial e aumento de comodities muito mais forte do que o registrado agora”.

“Nós vamos substituir um ano de inflação de peso para um ano de inflação mais baixa. A previsão é de que o IGP-M feche em torno de 20%, o que continua alto se considerarmos que o IPC, que é parecido com o IPCA do IBGE, é terminar o ano a 9%. Então haverá uma diferença muito grande entre a inflação da indústria e agronegócio com a das famílias.”

Miguel Ribeiro de Oliveira, diretor-executivo da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade), também acredita que a queda do IGP-M em setembro foi pontual.

Ainda há muita pressão do câmbio e de outras economias. A queda aconteceu porque, de um lado estamos prevendo um crescimento menor no mundo e comodities como minério de ferro caíram de preço por conta disso, mas energia e combustível continuarão impactando na alta do indicador.

Miguel de Oliveira

Assim como Braz, Oliveira estima que no curto prazo o IGP-M não deve cair.

 

Donos de imóveis e inquilinos continuarão negociando reajuste

 

Braz acredita que o IGP-M deve ser desvinculado cada vez mais como índice de reajuste dos contratos de aluguel e dar espaço para o IPCA.

“Atualmente por conta do desemprego, os proprietários estão optando por utilizar o IPCA para reajustar seus contratos pelo IPCA. A tendência é que o mercado imobiliário comece a optar por correções mais modestas para não ficar com o imóvel vazio”, afirma o economista.

Mais de 60% dos acordos de locação firmados desde novembro de 2020 na Quinto Andar, startup de tecnologia que aluga e vende imóveis residenciais, têm como correção o IPCA.

“Quando começou a série de altas do IGP-M sentamos com inquilinos e proprietários para intermediar a negociação, mostrando que o descolamento do indicador com o comportamento da inflação oficial não seria bom para a relação deles”, diz José Osse, head de comunicação do Quinto Andar.

Atualmente a Quinto Andar tem 120 mil contratos vigentes – entre velhos e novos – tendo o IPCA como indexador. Por mês, quase 11 mil acordos são fechados pela companhia com o mesmo indicador.

O Grupo Lello, administradora de condomínios e imóveis, também vem utilizando o IPCA como indexador dos contratos de aluguel desde janeiro deste ano.

Moira Toledo, diretora de risco e governança, diz que ao propor a alteração a companhia só teve retorno positivo de ambas as partes.

Segundo levantamento feito da Lello, entre outubro de 2020 e julho deste ano:

• 30,64% dos contratos de aluguel não foram reajustados;
• 31.67% dos acordos foram corrigidos pelo IPCA;
• 29.91% optaram por um reajuste alternativo entre IPCA e IGPM; e
• 7,95% optaram pelo reajuste integral pelo IGP-M.

Veja quatro dicas para negociar o aluguel

Compartilhe este conteúdo!

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *