Atleta patrocinado por empresa de Brasília compete hoje (8) na 4ª edição do Desafio Delta do Parnaíba/Ultra
Petrobras reduz preços da gasolina e do diesel para as distribuidoras
Programa oferece parcelamento para quitar fatura de água em atraso
Saúde abre consulta para incorporar ao SUS vacina pediátrica da Pfizer
Rendimentos do trabalho crescem 2,5% no terceiro trimestre

Fluminense é punido em R$ 50 mil por gritos homofóbicos contra o Internacional

Lance

Lance Lance

O Fluminense foi condenado a pagar R$ 50 mil por gritos homofóbicos na partida contra o Internacional, em 24 de novembro do ano passado. O jogo foi válido pela 35ª rodada do Brasileirão. A Quarta Comissão Disciplinar considerou o clube culpado pela maioria dos votos. A decisão ainda cabe recurso pois foi julgada na primeira instância do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

Conforme registrado pelo árbitro Felipe Fernandes de Lima na súmula, aos 40 e 47 minutos do segundo tempo, a torcida tricolor entoou “de forma rápida” o canto homofóbico por duas vezes. O fato foi informado ao quarto árbitro pelo delegado da partida e “por ter cessado de maneira rápida em um curto espaço de tempo, não houve necessidade de paralisar a partida”. O sistema de som e imagem do estádio alertou a torcida para que parassem os gritos.

Ainda não é assinante do Cariocão-2022? Acesse www.cariocaoplay.com.br, preencha o cadastro e ganhe 5% de desconto com o cupom especial do LANCE!: GE-JK-FF-ZSW

O Fluminense foi enquadrado no artigo 243-G do Código Brasileiro de Justiça Desportiva: Praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência.

A denúncia foi protocolada em dezembro de 2021 pelo Coletivo de Torcidas Canarinhos LGBTQ, com sete Notícias de Infração (levar o caso ao conhecimento da Justiça) no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Além do Flu, outros sete clubes foram citados: Internacional, Náutico, Ceará, Atlético-MG, Remo, Paysandu e Corinthians.

Em 2019, o STJD passou a recomendar que os árbitros registrassem manifestações preconceituosas nas súmulas. Os casos são enquadrados no artigo 243-G por ato discriminatório, que prevê diversas punições entre multas, suspensão e até perda de pontos.

Fonte: R7 – Esportes

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *