Fies: pré-selecionados devem enviar informações até esta sexta-feira
Pesquisa aponta redução de 404 mil trabalhadores no comércio em 2020
Pesquisa delineia possibilidades para um segundo turno no DF
Caso seja reeleito, Ibaneis pretende manter modelo do Iges-DF
Movimentação de cargas cresce 2,3% no trimestre no Porto de Santos

Em meio a alta da inflação, veja como negociar o reajuste do aluguel

 O aluguel residencial registrou alta de 1,63% em março de 2022, a maior variação desde junho de 2011, segundo o Índice FipeZAP+, que analisa os valores em 25 cidades do país. O resultado representou nova aceleração do índice em relação aos resultados dos oito meses anteriores. Por isso, para inquilinos e proprietários, o momento é mais do que nunca importante para negociar. A Arbo Imóveis, marketplace do mercado imobiliário, listou sete dicas para orientar a negociação do aluguel. Veja nas fotos a seguir

1. Importância do diálogo – Embora a lei não obrigue imobiliárias e proprietários a reduzirem o valor do aluguel determinado em contrato, um diálogo pode ajudar a negociação, em períodos de crise e inflação em alta

2. Relação de confiança – Para iniciar a negociação, é necessário que a relação entre inquilinos e proprietários seja baseada em confiança mútua. Isso facilita as tratativas na hora de resolver determinados problemas, principalmente em um momento de crise econômica. Caso o imóvel tenha sido alugado por intermédio de uma imobiliária e você percebeu que as contas vão ficar muito apertadas, vale a pena procurá-la com antecedência, para tentar uma solucção

3. Argumentos – Na hora de negociar o aluguel, é importante ter um argumento consistente para demonstrar ao outro lado a real situação financeira e convencê-lo a entrar em consenso

4. Redução da renda – Se ainda mantém os pagamentos em dia, mas está com dificuldades de cumpri-los, apresente ao proprietário ou à imobiliária o tamanho desse prejuízo. Há pelo menos duas opções para lidar com esta situação: a primeira é propor o congelamento de algumas parcelas por um prazo definido. Após esse prazo, o pagamento do valor das parcelas congeladas seria diluído nas mensalidades seguintes. Essa estratégia também serve para os aluguéis que já estão em atraso. A segunda possibilidade é propor uma redução temporária no valor das mensalidades. Em muitos casos, os inquilinos conseguem abatimentos entre 20% e 50% do aluguel

5. Bom inquilino – Existe uma importante vantagem nas negociações, caso você seja o tipo de inquilino exemplar, que cuida bem do imóvel, paga as mensalidades em dia e está nele há muito tempo. O proprietário não vai querer perder um bom inquilino para colocar um desconhecido no lugar. Por isso, reforce essas características e ressalte a relação de confiança mútua 

6. Negociação é relevante – O ideal é ter proposta bem definida para fazer ao outro lado. Entretanto, é importante reconhecer que ele também tem suas necessidades e certamente já tem sua própria proposta. Por isso, mostre-se sempre disposto a ouvir as diversas possibilidades e a analisá-las com calma 

7.- Controle as emoções – Na hora de negociar aluguel, falhar nesse aspecto pode criar um ambiente negativo e tornar as tratativas insustentáveis. Por mais que as divergências pareçam grandes, o caminho para alinhar as expectativas é manter uma postura positiva. Evite falar alto demais ou demonstrar nervosismo, pois isso deixa o interlocutor na defensiva. Na pior das hipóteses, o outro lado pode se sentir tão acuado que simplesmente não haverá mais condições de dialogar

Fonte: R7 – Economia

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Últimas Notícias:

vacina