Drenar-GDF-300x250-GIF
Programa oferece até R$ 21 mil de crédito para empreendedores negros
Governo lança programa para reduzir filas no sistema de saúde
UNE quer construir agenda com reivindicações ao governo federal
Anvisa fará webinar sobre novas regras de reprodução humana assistida
Mercado financeiro eleva projeção da inflação de 5,74% para 5,78%

Dólar fecha em alta de 0,36%, a R$ 5,44, o maior patamar desde abril 

O dólar à vista subiu 0,36%, a R$ 5,4496 na venda, o maior nível desde 27 de abril

O dólar à vista subiu 0,36%, a R$ 5,4496 na venda, o maior nível desde 27 de abril Mohamed Abd El Ghany/Reuters – 24.09.2021

O Banco Central deu as caras no mercado e tirou o dólar à vista de perto dos R$ 5,50, mas a moeda ainda fechou em alta e no maior patamar desde abril, registrando os maiores ganhos para setembro e para o terceiro trimestre em seis anos.

O dólar à vista até chegou a cair mais cedo, indo para uma mínima de R$ 5,3674, queda de 1,15%, mas ainda pela manhã começou a ganhar força, movimento que se intensificou nas negociações vespertinas conforme o mercado adicionava prêmio de risco por temores de flexibilização fiscal relacionada ao auxílio emergencial.

Assim, a divisa brasileira começou a se descolar mais de seus pares, alguns dos quais tinham ganhos contra o dólar nesta quinta.

Mas o anúncio pelo BC à tarde de um leilão extraordinário de US$ 500 milhões em swaps cambiais tirou a cotação dos picos do dia; na máxima, o dólar spot foi a R$ 5,4771, alta de 0,87%, enquanto no mercado futuro a taxa superou R$ 5,50.

No fechamento desta quinta-feira, o dólar à vista subiu 0,36%, a R$ 5,4496 na venda. É o nível mais alto desde 27 de abril (R$ 5,4625).

A moeda engatou o sétimo pregão de ganhos, já perto de igualar a sequência de oito altas ocorridas entre o fim de junho e o início de julho.

Em setembro, o dólar avançou 5,36%, a maior valorização desde janeiro passado (+5,53%) e a mais forte para o mês desde 2015 (+9,33%).

No terceiro trimestre, a moeda saltou 9,51%. É a mais intensa apreciação desde os três meses findos em março de 2020 (+29,44%), quando a pandemia de Covid-19 chacoalhou pela primeira vez os mercados globais.

Para o período de julho a setembro, a alta deste ano foi a mais veemente desde 2015 (+27,55%).

No acumulado de 2021, o dólar sobe 4,97%.

Compartilhe este conteúdo!

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *