Drenar-GDF-300x250-GIF
Programa oferece até R$ 21 mil de crédito para empreendedores negros
Governo lança programa para reduzir filas no sistema de saúde
UNE quer construir agenda com reivindicações ao governo federal
Anvisa fará webinar sobre novas regras de reprodução humana assistida
Mercado financeiro eleva projeção da inflação de 5,74% para 5,78%

Brasileiras dominam primeiras regatas do Mundial de Snipe Feminino 2021

Lance

Lance Lance

O Mundial de Snipe Feminino 2021 teve início na tarde desta quarta-feira (6), no Yacht Club Paulista, em São Paulo (SP), com 42 duplas participantes de sete países: Alemanha, Argentina, Brasil, Chile, Croácia, Estados Unidos e Noruega. É a 14ª edição do evento internacional e a versão exclusiva só para mulheres é realizada pela primeira vez no País.

+ VÍDEO: Lutador de MMA morre após nocaute em estreia no boxe sem luvas

O primeiro tiro de largada ocorreu às 14h com uma regata barla-sota, com quatro pernas. O vento variou de 8 a 12 nós e direção Sul na Represa do Guarapiranga. Já na segunda do dia, o tempo virou – queda de quase 15 graus de temperatura a menos.

+ Luis Porto é cortado do Mundial de Ginástica e delegação brasileira terá apenas três atletas no torneio

A competição de Snipe é liderada pela baiana Juliana Duque (YCB), campeã mundial de 2016. A velejadora, que faz dupla com a conterrânea Mila Beckerath, ficou em segundo lugar nas duas regatas do campeonato, e tem 4 pontos perdidos. Na sequência aparecem a gaúcha Martha Rocha e catarinense Larissa Juk (ICSC/MB) com 7 pontos perdidos.

– Foi uma média boa com dois segundos lugares! A Guarapiranga é uma raia bem difícil. Hoje deu mais vento e foi mais sofrido, mas foi legal. O resultado foi um pouco parecido com de 2016 na Itália quando a gente também começou bem, com ótimos resultados no primeiro dia. É um bom sinal, mas agora precisamos manter a mesma média – disse Juliana Duque.

A regata de estreia do Mundial de Snipe foi vencida pela dupla de Ilhabela (SP) formada por Anna Júlia Tenório e Débora Bergamini. As baianas Juliana Duque e Mila Beckerath ficaram na segunda posição, seguidas pelo barco da croata Andela Viturri e da norueguesa Maj Kristin Borgen.

A velejadora paulista Anna Júlia Tenório está em um ano especial. Em julho, atleta integrou o barco +Bravíssimo, campeão da Semana Internacional de Vela de Ilhabela. Sua parceira, Débora Bergamini, é novata também na classe e veleja há menos de dois anos.

– Estava bem ansiosa e nervosa, mas muito feliz de estar aqui, no meu primeiro mundial e representando Ilhabela. A todo momento ficamos com o coração a mil. Eu desde que sai do Optimist venho correndo de monotipos e oceano, estou acostumada com isso – comentou Anna Júlia Tenório.

+ EUA vai rever denúncias contra ex-agentes do FBI nos escândalos de assédio sexual na ginástica

A segunda regata do dia do Mundial de Snipe teve as mesmas protagonistas, com Martha Rocha e Larissa Juk se recuperando do sexto lugar da prova de estreia. As duas lideravam na regata inicial e foram ultrapassadas na perna final de popa. Na segunda não deram chances e cruzaram em primeiro.

– Eu velejei muito tempo de Snipe, de 2007 a 2014, fazia a proa para diversas timoneiras. Então é legal estar resgatando essa classe que eu velejava, mas é gostoso porque são barcos que velejam muito perto uns dos outros. Conta muito a tática, muito o posicionamento de regata. É muito legal competir – explicou Larissa Juk, que fez campanha olímpica de Match Race em Londres 2012.

As provas do Mundial de Snipe Feminino retornam nesta quinta-feira (7), a partir de 13h, com previsão de mais duas regatas oficiais. A principal competição da categoria exclusiva para mulheres será realizada até o próximo sábado (9).

Fonte: R7 – Esportes

Compartilhe este conteúdo!

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *