Drenar-GDF-300x250-GIF
Construção civil de alto padrão acredita no crescimento do mercado em 2023
DA DESISTÊNCIA DA AÇÃO DE MANDADO DE SEGURANÇA A QUALQUER TEMPO, RECENTE DECISÃO DO STJ
GDF cria grupo de trabalho para modernizar sistemas de gestão de saúde
Fachin prorroga prazo para plano de proteção de indígenas isolados
Estudo encontra dez novas espécies de leguminosas

Bolsonaro sanciona lei que redefine critérios para sobras eleitorais

Apenas candidatos que tiverem votos mínimos equivalentes a 20% do quociente e partidos com 80% desse quociente poderão pleitear sobras

Apenas candidatos que tiverem votos mínimos equivalentes a 20% do quociente e partidos com 80% desse quociente poderão pleitear sobras
Divulgação/TSE

O presidente Jair Bolsonaro sancionou um projeto de lei aprovado pelo Congresso Nacional que muda as normas de distribuição para a definição das sobras eleitorais, que são as vagas não preenchidas pelos critérios do sistema proporcional, utilizado para a eleição de deputados federais, deputados estaduais ou distritais e vereadores.

O texto condiciona a distribuição dessas vagas a partidos com um limite mínimo de votos obtidos. Segundo a legislação, poderão concorrer à distribuição das sobras de vagas apenas os candidatos que tiverem obtido votos mínimos equivalentes a 20% do quociente eleitoral e os partidos que obtiverem um mínimo de 80% desse quociente.

Alguns trechos da matéria foram vetados pelo presidente, como o que determinava que, nas unidades da Federação em que o número de lugares a preencher para a Câmara dos Deputados não excedesse 18, cada partido poderia registrar candidatos a deputado federal e a deputado estadual ou distrital no total de até 150% das respectivas vagas.

Bolsonaro também se posicionou contra o item que estabelecia que, nos municípios de até 100 mil eleitores, cada partido poderia registrar candidatos a vereador no total de até 150% do número de lugares a preencher.

Em um comunicado enviado à imprensa na noite desta sexta-feira (1), a Secretaria-Geral da Presidência informou que os itens foram vetados porque “os dispositivos contrariariam o interesse público”.

Segundo a Pasta, “a redação proposta alteraria o critério relativo à representação da unidade da Federação na Câmara dos Deputados de 12 para 18 cadeiras, o que resultaria em percentual mais elevado em relação à regra geral para as candidaturas registráveis nesses casos excepcionais”.

Bolsonaro também vetou o dispositivo que alterava a regra excepcional do percentual de candidaturas que cada partido poderia registrar para deputado federal e para deputado estadual ou distrital em unidades da Federação em razão da representação do ente federativo na Câmara dos Deputados e para vereadores dos municípios de até 100 mil eleitores.

Segundo a Secretaria-Geral, essa parte do texto “estabelece percentual mais elevado que a regra geral para os municípios de até 100 mil eleitores”, e por isso foi vetada.

Compartilhe este conteúdo!

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *