Preparem sua torcida! Vem aí a segunda edição da Copa Lotus
Comissão aprova texto preliminar do Orçamento de 2023
Câmara aprova projeto que regulamenta criptomoeda
FGV: Indicador de Incerteza da Economia varia 0,1 ponto
Governo trabalha em novos bairros e na regularização de 24 mil imóveis

Universidades pedem que Capes retome avaliação da pós-graduação

Universidades pedem que Capes retome avaliação da pós-graduação

Universidades pedem que Capes retome avaliação da pós-graduação Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A Andifes (Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior) afirmou nesta quinta-feira (23) que defende a retomada urgente e a continuidade da avaliação quadrienal dos programas de pós-graduação em curso. O posicionamento foi publicado após a entidade tomar conhecimento da decisão da Justiça Federal do Estado do Rio de Janeiro que determinou à Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) a suspensão da avaliação dos programas de pós-graduação em andamento. 

A decisão atendeu ação movida pelo Ministério Público Federal contra a aplicação retroativa de mudanças nos critérios de avaliação.

A Andifes lembrou que a Capes é uma fundação pública vinculada ao Ministério da Educação que, desde 1952, “tem tido atuação estratégica para o desenvolvimento do país”. Nesse período, segundo a associação, foi desenvolvido um sistema de avaliação da pós-graduação “robusto, fundamentado nas melhores práticas internacionais, por meio da revisão dos pares acadêmicos, o que tem contribuído para o avanço substancial do Brasil na pós-graduação e, consequentemente, na pesquisa científica e na inovação”.

“A consistente avaliação realizada pela entidade tem atribuído valor imensurável no que tange à qualidade e consolidação da pesquisa em todo o Brasil, de forma igualitária entre todas as instituições”, diz a Andifes, em nota.

Segundo os procuradores que entraram com a ação, o acesso aos recursos públicos federais é distorcido pela avaliação dos programas de pós-graduação com base em critérios imprevisíveis aplicados retroativamente. 

A Andifes rebateu a tese e afirmou que “inexiste a imprevisibilidade nos critérios de avaliação, conforme argumentado, tendo em vista que as mudanças em cada ciclo avaliativo são pontuais e amplamente discutidas com a comunidade científica brasileira, e adotadas com o escopo de calibrar o sistema, visando a melhoria do processo avaliativo”.

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *