Drenar-GDF-300x250-GIF
Programa oferece até R$ 21 mil de crédito para empreendedores negros
Governo lança programa para reduzir filas no sistema de saúde
UNE quer construir agenda com reivindicações ao governo federal
Anvisa fará webinar sobre novas regras de reprodução humana assistida
Mercado financeiro eleva projeção da inflação de 5,74% para 5,78%

SP diz que vacina não foi causa provável de morte de adolescente

Jovem possuía uma doença autoimune, segundo o governo de SP

Jovem possuía uma doença autoimune, segundo o governo de SP Evaristo Sá/AFP – 13.09.2021

A SES-SP (Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo) concluiu nesta sexta-feira (17) o diagnóstico sobre a morte de uma adolescente de 16 anos que havia recebido a primeira dose da vacina Pfizer sete dias antes de falecer.

Segundo nota do governo paulista, análises técnicas indicaram que o imunizante não foi a causa provável do óbito da jovem, mas uma doença autoimune e rara denominada Púrpura Trombótica Trombocitopênica, ou PPT.

De acordo com o comunicado, 70 profissionais foram reunidos pela Coordenadoria de Controle de Doenças e do Centro de Vigilância Epidemiológica para a análise do caso da adolescente, que havia se vacinado em São Bernardo do Campo (SP). Sete dias depois da aplicação da primeira dose, a garota faleceu.

“As vacinas em uso no país são seguras, mas eventos adversos pós-vacinação podem acontecer. Na maioria das vezes, são coincidentes, sem relação causal com a vacinação. Quando acontecem, precisam ser cuidadosamente avaliados”, explica o infectologista do CVE, Eder Gatti, que atua no hospital Emílio Ribas e participou da coordenação da investigação sobre a morte da jovem.

A secretaria de Saúde destaca, ainda, que pessoas com doenças autoimunes podem receber as vacinas contra a covid-19 normalmente, e que devem consultar o médico em caso de dúvidas.

“Os eventos adversos graves, principalmente aqueles que evoluem ao óbito, são discutidos com uma comissão de especialistas para se ter uma decisão mais precisa sobre a relação coma a vacina. Quando um caso vem à tona sem que este trabalho esteja finalizado, cresce o risco de desorientação, temor, de rejeição a uma vacina sem qualquer fundamento, prejudicando estaimportante estratégia de saúde pública que é a campanha de vacinação”, afirma Gatti.

A equipe de investigação sobre o caso da adolescente contou com especialistas em Hematologia, Cardiologia, infectologia e outros atuantes nos CRIEs (Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais) do estado de São Paulo, além de representantes das cidades de São Paulo, São Bernardo e Santo André.

Compartilhe este conteúdo!

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *