Drenar-GDF-300x250-GIF
Programa oferece até R$ 21 mil de crédito para empreendedores negros
Governo lança programa para reduzir filas no sistema de saúde
UNE quer construir agenda com reivindicações ao governo federal
Anvisa fará webinar sobre novas regras de reprodução humana assistida
Mercado financeiro eleva projeção da inflação de 5,74% para 5,78%

Randolfe diz que ANS sabia de denúncias contra a Prevent Senior desde abril

Mesmo que o diretor-presidente da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Paulo Roberto Rebello Filho, tenha afirmando ter sido surpreendido pelas acusações feitas contra a Prevent Senior reveladas recentemente pela CPI da Covid, a versão dele é rebatida na cúpula do colegiado.

Na tarde desta quarta, 6, durante o depoimento de Rebello, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) rebateu a declaração do diretor exibindo mensagens às quais a CPI teve acesso mostrando que a ANS sabia das denúncias contra a Prevent Senior desde abril deste ano, e não tomou providências. “Esse dossiê todo chegou em junho à Agência Nacional de Saúde”, reforçou, ao falar das respostas do denunciante aos pedidos da agência.

“Documentos obtidos pela CPI mostram a omissão da ANS. A agência recebeu, de um médico, a denúncia de que a direção da Prevent Senior estava determinando que seus profissionais adotassem o tratamento precoce. Chegou a pedir provas ao profissional, ele encaminhou, e mesmo assim nada foi feito”, disse Randolfe.

Entre as mensagens destacadas pelo vice-presidente da comissão, estava o recado de uma diretora da Prevent, denominada como “dra. Paola”, que defendia o kit covid. Nas mensagens, a diretora afirmava: “Espirrou, toma a cloroquina”, como uma instrução para lidar com pacientes com covid.

Apesar da acusação, Rebello afirmou que a agência tomou conhecimento do caso apenas nesta segunda-feira (4). “Às 23h40”, ressaltou.

A Prevent Senior se tornou alvo da CPI do Senado após um grupo de 15 médicos que atuaram na operadora entregar um dossiê aos parlamentares em que acusam a rede de servir como uma espécie de “laboratório” do “kit covid”.

Segundo a denúncia, pacientes não eram informados sobre o tratamento e atestados de óbitos eram fraudados para omitir que a morte foi causada pela doença. A empresa nega as acusações e se diz alvo de difamação. A operadora também é investigada pelo Ministério Público de São Paulo e pela Polícia Civil de SP.

Em nota divulgada, a Prevent Senior afirmou em que repudia o que chamou de “acusações mentirosas levadas anonimamente à CPI da Covid e à imprensa”.

Fonte: Notícias ao Minuto Brasil – Politica

Compartilhe este conteúdo!

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *