Drenar-GDF-300x250-GIF
Programa oferece até R$ 21 mil de crédito para empreendedores negros
Governo lança programa para reduzir filas no sistema de saúde
UNE quer construir agenda com reivindicações ao governo federal
Anvisa fará webinar sobre novas regras de reprodução humana assistida
Mercado financeiro eleva projeção da inflação de 5,74% para 5,78%

PSOL reelege Juliano Medeiros como presidente e defende unidade

BRASÍLIA, DF (UOL-FOLHAPRESS) – O PSOL reelegeu neste domingo (26) Juliano Medeiros como presidente nacional do partido pelos próximos dois anos e defendeu a unidade da esquerda para as eleições de 2022. As decisões foram tomadas no 7° Congresso Nacional do PSOL, realizado nos últimos dias.

Medeiros é gaúcho, tem 36 anos e foi eleito presidente do PSOL pela primeira vez em 2017. Ele é formado em história pela UnB (Universidade de Brasília), onde também fez mestrado na área e doutorado no Instituto de Ciência Política.

O PSOL decidiu não apresentar, neste momento, pré-candidatura do partido à Presidência da República visando o pleito de 2022. O partido deve realizar uma convenção eleitoral no primeiro semestre do ano que vem para aprofundar a discussão e tomar a decisão sobre qual tática eleitoral adotar.

Outros pontos a serem tratados são políticas de alianças, distribuição de fundo partidário e regulamentação de candidaturas coletivas, por exemplo.

No entanto o PSOL afirma que vai buscar a unidade dos partidos de esquerda com o objetivo principal de derrotar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que deve tentar a reeleição. Para o partido, é preciso “centrar esforços na construção de uma frente eleitoral das esquerdas unitária no plano nacional”.

“A prioridade, em nível nacional, deve ser a construção da unidade entre os setores populares para assegurar a derrota da extrema-direita. Esse processo de diálogo deve envolver elementos programáticos, arco de alianças e não pode ser uma via de mão única”, diz trecho de resolução aprovada.

Apesar dos esforços de parte da esquerda, nem toda a oposição está unida devido a interesses políticos futuros e divergências passadas.
De acordo com a última pesquisa Datafolha, divulgada na semana passada, 59% dos entrevistados disseram que não votariam em Bolsonaro de jeito nenhum -a maior rejeição registrada entre os presidenciáveis.

Segundo o mesmo Datafolha, o presidente tem hoje 25% das intenções de voto, em segundo lugar na corrida eleitoral, atrás apenas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com 44%.

Já pesquisa Ipec divulgada na última quarta (22) mostra Lula liderando o primeiro turno das eleições presidenciais de 2022 em dois cenários distintos, com mais de 20 pontos percentuais de vantagem para Bolsonaro.

Uma das prioridades do PSOL será também superar a cláusula de barreira nas eleições de 2022. Atualmente o partido conta com nove deputados federais e nenhum senador.

Há a previsão de que o Congresso Nacional vote veto de Bolsonaro que pode impactar o futuro de partidos em risco por falta de grande representatividade quantitativa. O presidente da República optou pelo veto total ao projeto de lei 477/2015, que institui as federações partidárias. O texto permitia que partidos políticos se unissem a fim de atuar como uma só legenda nas eleições e na legislatura.

A decisão do presidente agora pode ser revista pelos parlamentares.
O projeto das federações partidárias foi aprovado com o objetivo de ajudar os partidos menores a alcançar a cláusula de barreira, regra que limita a atuação de legendas que não obtém determinada porcentagem de votos para o Congresso. A cláusula seria ca

Compartilhe este conteúdo!

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *