Renovação na CLDF chega a 50% dos distritais e há um novo campeão de votos
BRB PRORROGA INSCRIÇÕES PARA CONCURSO PÚBLICO
Incerteza da Economia cai 4,9 pontos em setembro, aponta Ibre/FGV
O Prêmio CNT de Jornalismo 2022 já tem os seus 30 finalistas!
Bebê recebe o primeiro transplante parcial de coração do mundo

PF investiga fraude na compra de medicamentos de alto custo

PF cumpre mandados de busca e apreensão contra fraude na compra de medicamentos

PF cumpre mandados de busca e apreensão contra fraude na compra de medicamentos Polícia Federal/Divulgação

A Polícia Federal realizou na manhã desta terça-feira (21) uma operação de combate a fraudes na compra de medicamentos de alto custo. A ação ocorreu em Brasília, São Paulo, Recife (PE), Maceió (AL), Belo Horizonte e Montes Claros (MG).

Devido ao esquema, os medicamentos estiveram em falta nos estoques do Ministério da Saúde. A PF estima que pelo menos 14 pacientes morreram pela ausência desses produtos.

O prejuízo causado pela fraude é superior a R$ 20 milhões, de acordo com a corporação. O cálculo é feito com base nos produtos que foram pagos, mas não entregues, entre 2016 e 2018.

As fraudes eram realizadas na compra dos remédios Aldurazyme (indicado a pacientes com mucopolissacaridose I), Fabrazyme (doença de Fabry), Myozyme (doença de Pompe), Elaprase (síndrome de Hunter ou mucopolissacaridose II) e Soliris/Eculizumabe (Hemoglobinúria Paroxística Noturna – HPN), pela Diretoria de Logística em Saúde do Ministério da Saúde.

O R7 procurou o Ministério da Saúde para falar sobre o assunto, mas não recebeu resposta até a última atualização desta reportagem.

Foram cumpridos 15 mandados de busca e apreensão nas seis cidades onde ocorreu a operação. Participaram da ação 61 policiais federais.

De acordo com as investigações, há indícios de descumprimento da legislação administrativa, licitatória e sanitária e também de decisões judiciais, “com o aparente intento de favorecer determinadas empresas”.

Os envolvidos podem responder na Justiça pelos crimes de fraude à licitação, estelionato, falsidade ideológica, corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa e corrupção ativa.

Pés de Barro
A operação recebeu o nome de “Pés de Barro”, em referência a uma passagem bíblica, segundo a qual promessas não são cumpridas. O trecho trata de uma interpretação de sonho do rei Nabucodonosor II feita pelo profeta Daniel.

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.