Defensoria ingressa com Ação Civil Pública contra Porto Alegre e mais três Municípios para garantir passe livre nos ônibus durante os dias de eleições
Brasil ocupa 54ª posição em ranking de inovação
Campanha de vacinação contra a pólio termina hoje
TSE desmente fake news
Transparência Eleitoral Brasil faz credenciamento para coletiva de imprensa

Pesquisa da USP e do Sírio alerta para novas variantes mais transmissíveis do coronavírus

Divulgação/National Institutes of Health

Novas variantes do coronavírus capazes de enganar o sistema imunológico e mais transmissíveis devem surgir nos próximos meses, aponta pesquisa feita por cientistas da Universidade de São Paulo (USP) e do Hospital Sírio-Libanês.

Publicado na revista Viruses, o estudo adverte que essa é uma alta probabilidade e aumenta com a grande circulação do coronavírus — propiciada pela retomada do contato social — e não é possível afirmar que a letalidade menor apresentada pela Ômicron deve se repetir. E o cenário ainda é preocupante, com cidades enfrentando lockdown, como Xangai, na China.

A pesquisa revisou mais de 150 artigos científicos. Foram analisados aspectos do vírus, como seu potencial de mutação, a capacidade de controle do sistema imune, a transmissibilidade e a eficácia das vacinas. Quanto maior for a circulação do vírus, maior a probabilidade do surgimento de novas variantes.

“Essa é uma questão probabilística. Novas variantes são esperadas, o problema é diminuir as restrições (de contato social) que aumentam a circulação do vírus”, diz Cristiane Guzzo, pesquisadora do Departamento de Microbiologia do Instituto de Ciências Biológicas da USP e uma das autoras do artigo.

Ela explica que, por ora, estamos em uma situação confortável, que deve durar pelos próximos meses, período em que a imunidade criada pelas doses de reforço das vacinas e pelo alto índice de contaminação da variante Ômicron permanecerá alta. Depois disso, novas contaminações devem propiciar o surgimento de variantes ainda mais contagiosas, o que também deverá diminuir a eficácia das vacinas.

“Decretar que a pandemia acabou e que o vírus foi vencido não é verdade”, diz o líder do grupo de pesquisas em Bioinformática do Hospital Sírio-Libanês, Pedro Galante, também um dos autores do estudo. “Temos de continuar tomando todos os cuidados e medidas necessárias para evitar a transmissão”, ressalta.

“Estamos olhando apenas para os números de casos e mortes (em queda) para dizer se é seguro ou não. Isso não é suficiente”, afirma Cristiane.

Nesta segunda-feira (25), o prefeito do Rio, Eduardo Paes, retirou a obrigatoriedade da apresentação do passaporte vacinal para frequentadores de bares, restaurantes, teatros e cinemas. Essa era a última restrição de circulação em vigor na capital fluminense e sua suspensão seguiu orientação do Comitê Especial de Enfrentamento da Covid-19.

Risco

Galante afirma que as mutações que podem ocorrer no vírus ajudam a explicar por que a ideia de que o vírus se torna menos letal conforme evolui não é uma regra. No início da pandemia, as transmissões começavam um dia antes dos primeiros sintomas, diz a pesquisa.

Com a variante Delta, esse período aumentou para três dias de transmissão assintomática e 74% dos contágios por aquela variante ocorreram nessa janela.

“As novas variantes evoluíram de forma a aumentar o período assintomático. Ou seja, as pessoas transmitem sem saber que estão contaminadas. Para o vírus o que importa é passar de uma pessoa para outra. O que vai acontecer com a pessoa depois disso (até a letalidade) não importa para ele”, afirma.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: R7 – Saúde

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.