Empresas lançam Movimento de Infraestrutura para impulsionar investimentos no país
Economia Vendas do comércio crescem 0,4% de setembro para outubro, diz IBGE
Sonho de Copa: filha usa camisa autografada do Brasil pentacampeão em 2002 para ajudar a mãe se reerguer
POPHAUS: O MAIOR PARQUE DE INFLÁVEIS DA AMÉRICA LATINA CHEGA A BRASÍLIA
Safra de grãos 2022/23 é estimada em 312,2 milhões de toneladas

Pastores minimizam possíveis efeitos de vídeo de Bolsonaro na maçonaria

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Seria Jair Bolsonaro (PL) maçom? Circula um vídeo antigo do hoje presidente num templo maçônico. Sem data, a gravação mostra Bolsonaro se apresentando como deputado federal e está sendo usada como arma com potencial de causar estragos numa de suas bases mais sólidas, a evangélica.

A Folha de S.Paulo conversou com três pastores bolsonaristas. Dois afirmam que o impacto será nulo na campanha à reeleição. Outro admitiu que alguns eleitores crentes podem se abalar com as imagens.

“Se provar que é isso fake news, estrago nenhum”, diz Silas Malafaia, líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “Se for verdade, pouco estrago, porque não é questão religiosa.”

Mas o tema já foi usado para motivar a base cristã. Há um exemplo um tanto anedótico: em 2018, então adversário de Bolsonaro, Cabo Daciolo acusou os irmãos evangélicos Marco Feliciano e Malafaia de se envolverem com maçonaria. Não há qualquer prova disso.

A deputada bolsonarista Carla Zambelli se casou em 2020 numa cerimônia maçônica, o que na época até rendeu piada do hoje senador eleitor Sergio Moro, ainda ministro do governo Bolsonaro.

“Sendo um casamento maçom, eu não sabia se podia falar, porque é tudo segredo. Eu não sei se posso dizer que sou testemunha ou que não sou testemunha do casamento”, brincou o ex-juiz.

Muitos grupos religiosos, como parte dos evangélicos, comparam a maçonaria a uma seita. O Vaticano já afirmou que os princípios maçons são incompatíveis com a doutrina da Igreja Católica.

Em 1983, o então cardeal Joseph Ratzinger, futuro papa Bento 16, assinou documento em nome da Santa Sé reforçando “o parecer negativo da igreja a respeito das associações maçônicas”.

“Os fiéis que pertencem às associações maçônicas estão em estado de pecado grave e não podem se aproximar da Sagrada Comunhão”, afirmou à época.

Em 2018, o general Antônio Hamilton Mourão, maçom há mais de duas décadas, incluiu em sua campanha como vice de Bolsonaro visitas a templos dessa fraternidade de homens que, com pretensões filantrópicas e filosóficas somadas a um histórico de acertos políticos, existe sob ares de sociedade secreta. Apresentava-se então como fiador do então deputado que queria virar presidente.

Apesar de muitos maçons preferirem o adjetivo “discreto” em vez de “secreto”, ainda há zelo ao apontar quem é quem e quais são os ritos para entrar no clube. Entre maçons ilustres estão presidentes americanos (ao menos 15 deles, como George Washington), pensadores (Voltaire), músicos (Beethoven), imperadores (dom Pedro 1º) e militares (Duque de Caxias). O ex-presidente Michel Temer, o ex-governador paulista Márcio França e o ex-prefeito de São Paulo Bruno Covas, morto em 2021, também são.

No vídeo que atiçou as redes sociais, Bolsonaro discursa numa espécie de altar adornado com símbolos tradicionais da Maçonaria, como o esquadro e o compasso, além de outros símbolos triangulares. Fala sobre corrupção, questões ideológicas e afirma ter “saído da zona de conforto” do mandato parlamentar para andar pelo Brasil e investigar “quais são os grandes problemas que temos que enfrentar”.

A equipe do rival Lula (PT) estuda incorporar o vídeo do presidente na maçonaria à sua campanha.

Fonte: Notícias ao Minuto Brasil – Politica

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *