CLDF debate soluções para superendividamento de servidores junto ao BRB
Câmara Legislativa debate a política de educação inclusiva no DF
TSE capacita influenciadores digitais para ajudar a combater fake news
México passará a exigir visto impresso no passaporte de brasileiros
Indicador antecedente de emprego cai após três altas

Moro quer união da terceira via sem abrir mão de candidatura

Moro quer se manter como pré-candidato e acredita ser o melhor nome para representar a terceira via

Moro quer se manter como pré-candidato e acredita ser o melhor nome para representar a terceira via Adriano Machado/Reuters

Pré-candidato pelo Podemos à Presidência da República, o ex-juiz Sergio Moro afirmou que a terceira via precisa se unir em torno de um nome, mas negou a possibilidade de desistir de concorrer. As declarações foram feitas em evento do BTG Pactual.

“Não faz sentido eu abdicar da minha pré-candidatura se ela demonstra o maior potencial para vencer esses extremos”, disse, citando que seu nome está em terceiro lugar nas pesquisas entre os presidenciáveis para 2022.

A busca de alianças, no entanto, é fundamental e, na avaliação de Moro, urgente. “A gente tem que tratar isso com bastante humildade, mas buscando a união de todos os pré-candidatos deste centro democrático ou vamos cair nas garras dos extremos e não temos tempo a perder.”

Um dos nomes chamados à união foi o do governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Moro afirmou ser uma “ilusão achar que temos todo o tempo do mundo [para buscar união], porque os extremos têm máquinas de destruição das pessoas”. Como exemplo de ataques, o ex-ministro citou que Doria “foi duramente atacado durante a pandemia por apresentar as vacinas”. “Eu tenho sido atacado por combater a corrupção e porque não concordei em ficar em um governo que abandonasse a pauta”, completou. 

A gente precisa realmente se unir, acho que isso é urgente e faria isso de bom grado

Sergio Moro, pré-candidato à presidência

A maior possibilidade de aglutinação, no entanto, inclui a senadora Simone Tebet (MDB-MS) e Felipe d’Avila (Novo). O Podemos esperava atrair mais figuras políticas como deputados federais e senadores pelo Novo, Patriota e União Brasil (fusão entre PSL e DEM), mas o cenário ainda é indefinido.

Já as alianças com o Cidadania ficam para trás após a aprovação de federação da legenda com o PSDB. Sem as aproximações, a consequência direta é a falta de financiamento e espaço para campanhas eleitorais. 

Fonte: R7 – Brasília

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.