Brasília se enche de branco e dourado para anunciar 2023
Cerca de 30% da população estavam em situação de pobreza em 2021
Saúde Após dois anos de covid, um em cada quatro jovens não estuda
Após dois meses de queda, indústria cresce 0,3%, revela IBGE
Bloqueio no orçamento das universidades federais é suspenso

Micro e pequenas empresas criaram mais de 70% dos empregos de agosto

Micro e pequenas empresas criaram mais de 70% dos empregos de agosto
Imagem: Divulgação

No mês de agosto, as micro e pequenas empresas (MPE) foram responsáveis por mais
de 70% do total de empregos criados no país, mostra levantamento do Serviço
Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) com base em dados do
Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Do saldo de 278,6 mil
contratações no período, 199,6 mil vagas formais foram criadas por essas empresas.
“São o segmento com melhores condições para responder ao desafio da criação de
empregos no país. Agosto foi o oitavo mês consecutivo que os pequenos negócios
apresentaram saldo positivo”, apontou o presidente do Sebrae, Carlos Melles. Ele
destacou que a média mensal de empregos gerados pelos pequenos negócios, desde o
início do ano, é superior a 160 mil.

No acumulado do ano, o país gerou 1,8 milhão de empregos, sendo as micro e pequenas
empresas responsáveis por 1,3 milhão (71,7%). As médias e grandes, por sua vez,
criaram 400 mil postos de trabalho, o que corresponde a 21,5% do total.
De acordo com o levantamento, o setor de serviços das micro e pequenas empresas
concentra a maior parte das contratações. Foram 96,2 mil em agosto, o que representa
35%. Os setores de comércio e construção civil ocupam a segunda e terceira posição,
respectivamente, na criação de postos de trabalho entre as MPEs.

Melles explica que essa proporção entre os tipos de negócios e as vagas disponíveis se
repete. “Em 2021, os pequenos negócios foram responsáveis por oito a cada dez novas
vagas de emprego. Neste ano, estamos mantendo uma média mensal de mais de 70%”,
relembrou.

Ele destacou ainda que no primeiro ano da pandemia o país teve um saldo total negativo
de 191.455 contratações, mas entre as micro e pequenas empresas o saldo foi positivo.
“[Foram] mais de 56 mil empregos. O resultado ruim é atribuído às médias e grandes,
que foram responsáveis por -274.220 postos de trabalho”.

Para o presidente do Sebrae, essa tendência de mais contratações em MPEs deve se
manter. Melles acredita que novos créditos disponíveis pelo Programa Nacional de
Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) podem aliviar as
contas desse segmento.

“Permitindo que as micro e pequenas respirem um pouco melhor e façam os
investimentos necessários para aumentar a sua produtividade e, consequentemente,
continuarem sendo as principais responsáveis pela geração de empregos no país”,
avalia.

 

*Fonte: Agência Brasil

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *