Decreto regulamenta crédito consignado no Auxílio Brasil
Setor de serviços cresceu 0,7% em junho, aponta pesquisa
Conab estima safra de grãos em 271,4 milhões de toneladas em 2021/22
Desemprego registra queda em 22 unidades da federação
Pesquisa indica queda de 2% no abate de frangos no país

Mais contagiosa e menos grave: o que já se sabe sobre a Ômicron?

Países do Hemisfério Norte vivem uma propagação generalizada da Ômicron

Países do Hemisfério Norte vivem uma propagação generalizada da Ômicron Alex Wong/Getty Images via AFP – 23.12.2021

Embora seja muito mais contagiosa, a Ômicron é certamente muito menos virulenta. Um mês após sua detecção na África do Sul, essa nova variante já é mais conhecida, embora ainda não se saiba até que ponto ela influenciará a pandemia da Covid-19.

O que sabemos sobre a Ômicron?

Em relação à variante Delta, “sua transmissão é muito maior, mas provavelmente menos grave, embora não saibamos até que ponto”, explicou Jean-François Delfraissy, presidente do conselho científico que assessora o governo da França.

A Ômicron avança muito rapidamente em vários países, e os casos estão dobrando a cada dois ou três dias, algo nunca visto antes.

Já é a variante dominante na Dinamarca e no Reino Unido, onde, no total, são registrados mais de 100.000 casos diariamente. Essa predominância, em breve, será verificada em outros países onde a Delta imperou. 

Embora sejam dados incompletos, que devem ser analisados com cautela, a Ômicron pode ser entre 35% e 80% menos séria.

Isso levanta uma questão importante: não se sabe se o fato de ser menos violenta se deve às mutações da variante ou à infecção de pessoas que já estavam parcialmente imunizadas (pela vacina ou por infecção anterior).

Quais são as consequências em hospitais?

Por enquanto, esse é o grande enigma.

A equação depende de duas incógnitas: a gravidade mais baixa da Ômicron compensará o fato de ela ser muito mais contagiosa?

“Embora a Ômicron cause sintomas menos graves, o número de casos pode novamente sobrecarregar os sistemas de saúde que não estão prontos”, alertou recentemente o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Isso não parece ser um problema no país onde a variante foi identificada, a África do Sul. No entanto, no Hemisfério Norte, onde a população é maior, as internações são muito mais preocupantes.

“É muito importante estudar o que vai acontecer em Londres na próxima semana, porque vai nos ensinar muito sobre a gravidade”, disse Arnaud Fontanet, membro do conselho consultivo francês nesta quinta-feira (23).

E as vacinas?

As mutações da Ômicron parecem reduzir a imunidade dos anticorpos contra o vírus, então ele pode se espalhar entre muitas das pessoas vacinadas – e até mesmo reinfectar algumas delas.

Estudos realizados em laboratório mostram que, em relação à Ômicron, a taxa de anticorpos cai entre as pessoas que receberam as vacinas da Pfizer/BioNTech, Moderna e, em menor medida, AstraZeneca ou Sinovac.

Uma dose de reforço parece melhorar a imunidade por anticorpos. Pelo menos é o que diversos laboratórios anunciaram nesta semana: Pfizer/BioNTech, Moderna e AstraZeneca. Mas uma informação crucial está faltando: não se sabe quanto tempo dura esse efeito.

E, por outro lado, um estudo realizado por pesquisadores de Hong Kong mostra que, mesmo com o reforço, a vacina Sinovac não produz anticorpos suficientes.

A resposta da Novavax, que se tornou a quinta vacina autorizada pela União Europeia na segunda-feira (20), ainda não é conhecida, já que, quando foram realizados os ensaios clínicos, as variantes mais comuns eram Alfa e Beta.

Isso não significa que as vacinas não sejam eficazes. Os anticorpos são apenas uma das ferramentas da resposta imunológica, que também depende de células chamadas linfócitos T.

Embora mais difícil de medir, essa “imunidade celular” não é menos importante, principalmente nos casos graves da doença.

Assim, um estudo apresentado em meados de dezembro na África do Sul sugere que a Pfizer/BioNTech continua a ser eficaz contra as formas graves de Covid-19 causadas pela Ômicron, mesmo antes da dose de reforço.

Caos?

Embora a onda de infecções em razão da Ômicron não leve hospitais ao colapso, essa variante pode causar o caos em muitos países.

A sua transmissão sem precedentes pode levar a uma onda de “absentismo”, devido às medidas de isolamento, o que poderá causar “desorganização” em muitos setores – como supermercados, transportes, hospitais e escolas –, alertou o conselho científico francês.

“É uma situação que não tínhamos vivido com as outras ondas e que ocorre devido à velocidade de propagação da Ômicron”, insistiu o conselheiro Olivier Guérin.

Para limitar essa “desorganização”, seria necessário maior flexibilidade em termos de regras de isolamento, uma vez que a nova variante causa formas menos graves de Covid-19.

Foi o que decidiu nesta quarta-feira (22) o governo britânico, que aumentou o período de isolamento na Inglaterra de dez para sete dias para os vacinados.

Fonte: R7 – Saúde

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.