Estudo mostra descumprimento da Lei de Cotas em empresas paulistas
Anvisa autoriza estudo para nova vacina contra a covid-19
Balança comercial registra superávit de US$ 3,99 bi em setembro
Câmara dos Deputados terá quatro parlamentares indígenas
Pfizer apresenta pedido de vacina mais forte contra variante Ômicron

Lula defende liberdade religiosa e Estado separado de igrejas

Imagem: divulgação

O candidato do PT à Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva, defendeu a importância da separação entre as estruturas do Estado e a religião. Para ele, isso é uma forma de fortalecer a liberdade religiosa, permitindo que as pessoas escolham livremente a própria fé. “O Estado não deve ter religião. O Estado não deve ter igreja. O Estado deve garantir o funcionamento e a liberdade de quantas igrejas as pessoas quiserem criar”, disse, ao discursar em um encontro com evangélicos em São Gonçalo, no Rio de Janeiro.

Lula também destacou a importância de se manter a credibilidade ao ocupar cargos de governo. O candidato deve, segundo ele, passar as informações de forma clara para a população. “Se a situação está difícil, fala que está difícil. Se está boa, fala que está boa”, acrescentou.

As políticas sociais foram destacadas ao longo da fala do candidato. Lula ressaltou a necessidade de reduzir a informalidade no país, criando empregos com carteira assinada. “O povo pobre que trabalha precisa de proteção, precisa ter garantia de que, se acontecer o infortúnio com ele, não vai ficar desprotegido, como acontece hoje”, disse.

Para a área da saúde, o candidato prometeu ampliar o acesso às especialidades médicas por meio de convênios com a rede particular de clínicas e hospitais. “A gente vai fazer convênio com a rede de especialistas nesse país para, quando o médico receitar um outro médico especialista, se tiver na rua da casa da senhora, a senhora vai naquele médico ser tratada com respeito e também utilizar as máquinas”, disse, ao enfatizar a importância de que seja possível fazer exames com os equipamentos de ponta.

No campo da educação, Lula disse que pretende adotar o ensino em tempo integral. “A gente vai melhorar a qualidade do ensino fundamental e o ensino vai ser integral a partir de agora. Porque o ensino integral tira as crianças da rua e vai dar muito mais garantias às famílias”, disse.

Depois do encontro, Lula concedeu uma entrevista a jornalistas. Ele comentou sobre o assassinato de um apoiador, em Mato Grosso, morto por um colega de trabalho em decorrência de divergência política. Acompanhado do vice, Geraldo Alckmin, o petista afirmou que um clima de ódio tomou conta do país.

“Isso é uma demonstração do clima de ódio que está estabelecido no processo eleitoral. Uma coisa totalmente anormal. Vocês estão vendo aqui duas pessoas que foram adversárias nas eleições [em referência a Alckmin], disputamos eleições, estávamos em partidos diferentes, falávamos mal um do outro. E, na hora que a gente tem que pensar no país, estamos juntos construindo uma proposta para o país. Isso é a política”, argumentou.

*Fonte: Agência Brasil

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.