Brasília se enche de branco e dourado para anunciar 2023
Cerca de 30% da população estavam em situação de pobreza em 2021
Saúde Após dois anos de covid, um em cada quatro jovens não estuda
Após dois meses de queda, indústria cresce 0,3%, revela IBGE
Bloqueio no orçamento das universidades federais é suspenso

Importações de derivados de petróleo sobem 82% em valor em 2021, diz FUP

Levantamento da área econômica da Federação Única dos Petroleiros (FUP) com base nas estatísticas oficiais de comércio exterior revelou que no ano passado o Brasil aumentou a importação de derivados de petróleo e exportou mais óleo cru. As importações de derivados cresceram 82% em valor e somaram US$ 13,4 bilhões.

As importações de óleos combustíveis de petróleo ou minerais betuminosos, exceto óleos brutos, foram o segundo produto mais importado pelo Brasil em 2021, perdendo posição somente para fertilizantes.

Segundo a FUP, o comportamento reflete o aumento nos preços internacionais e nas quantidades adquiridas. Os dados da balança comercial de petróleo e óleos combustíveis, apurados pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex), mostram que no ano passado o Brasil ampliou em 28% os volumes de derivados comprados no exterior. Foram adquiridos o equivalente a 22,2 milhões de toneladas O preço médio da tonelada subiu 42% em relação ao valor pago em 2020, atingindo US$ 605/t.

A área econômica da FUP aponta que um dos motivos que explicam o forte incremento das compras de derivados é o Fator de Utilização do Refino das unidades da Petrobras.

“A paralisação nos últimos anos de investimentos em capacidade produtiva de refino, e a retomada do consumo interno decorrente da flexibilização das medidas de isolamento social obrigam o País a aumentar importações de derivados”, explicou a entidade.

A FUP calcula em 80% o fator médio de utilização do refino no ano passado. Ou seja, uma capacidade ociosa em torno de 20%.

“Parte dessas importações poderia estar sendo atendida pelas refinarias da Petrobras. Porém, a capacidade do Brasil de atender sua própria demanda está limitada desde 2014”, afirmou o coordenador da FUP, Deyvid Bacelar.

Além disso, a decisão da Petrobras de deslocar parte de sua produção de óleo bruto para o mercado externo em vez de refinar internamente abriu mais espaço para importações de derivados, destacou a FUP.

Exportação de petróleo

O Brasil gastou mais em compras de derivados, mas por outro lado aumentou os embarques de óleo bruto cru, informou a entidade. A exportação de óleo cru atingiu US$ 30,4 bilhões em 2021, 55,3% maiores que os US$ 19, 6 bilhões registrados no ano anterior, segundo estatísticas da Secex.

“Com isso, o óleo cru foi o terceiro produto mais vendido no mercado internacional em 2021, atrás somente do minério de ferro e da soja. O produto respondeu por 11% das exportações totais do Brasil”, informou a FUP.

Foram comercializadas 68 milhões de toneladas, a preço médio de US$ 450/t, 60% maior que no ano anterior. E em dezembro, isoladamente, foi o primeiro item de exportação.

De acordo com a FUP, a tendência se mantém este ano. Os resultados da balança comercial de janeiro deverão ser divulgados na semana que vem.

Estadão Conteúdo

O post Importações de derivados de petróleo sobem 82% em valor em 2021, diz FUP apareceu primeiro em Jornal de Brasília.

Fonte: R7 – Brasil

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *