Campanha de vacinação contra a pólio termina nesta sexta-feira
Mercado financeiro reduz projeção da inflação de 6% para 5,88%
Ninguém acerta as seis dezenas e Mega-Sena acumula em RS 200 milhões
Fuvest prorroga inscrições do vestibular
BC estabelece limite de cobrança de taxas nas máquinas de cartão

Guarda Municipal dispara contra multidão em Curitiba e mata jovem com 10 tiros

Katna Baran
CURITIBA, PR

A Polícia Civil do Paraná abriu uma investigação para apurar a morte de um jovem durante uma ação da Guarda Municipal no Largo da Ordem, centro histórico de Curitiba. A vítima foi Mateus Silva Noga, 22, atingido por vários disparos de arma de fogo na noite de sábado (11) –uma mulher de 31 anos e uma adolescente de 14 também ficaram feridas, mas já receberam alta.

A Guarda Municipal afirmou que foi acionada para conter uma briga numa rua próxima ao monumento Cavalo Babão, na capital paranaense. Segundo o órgão, cerca de 300 pessoas estavam no entorno do local, grande parte sem usar máscara e sem respeitar as regras de distanciamento social.

Ainda de acordo com a versão da guarda, os frequentadores arremessaram garrafas de vidro contra os agentes, “que reagiram à injusta agressão” realizando disparos de arma de fogo. São esses tiros que atingiram o homem, a mulher e a adolescente –nenhum deles estava envolvido na confusão inicial.

Segundo relatos de testemunhas a veículos locais, Mateus foi atingido por mais de dez tiros, a maioria pelas costas. Ele tinha um filho de menos de um ano. Imagens de câmeras de segurança foram recolhidas pela polícia, mas não foram divulgadas.

Em entrevista coletiva nesta quinta-feira (16), a delegada Daniela Corrêa, responsável pelo inquérito, afirmou que as imagens capturaram ao menos um dos disparos. Segundo ela, não há dúvidas de que o guarda foi o autor. Agora, a polícia vai avaliar se ele agiu em legítima defesa ou com imprudência, o que qualificaria o crime como homicídio culposo, ou mesmo se assumiu o risco de matar.

“A gente percebe claramente que ele não atirou para matar, não mirou em alguém para matar, mas pode ser que seja entendido que ele tenha assumido o risco de que aquele resultado acontecesse e aí então ele responde por dolo eventual”, afirmou.

Testemunhas serão ouvidas entre esta quinta e sexta-feira (17). A arma usada pelo guarda foi recolhida e as roupas do jovem também devem ser entregues pela família à polícia. O laudo de necropsia do corpo de Mateus ainda não foi concluído, segundo a delegada.

O Ministério Público e a Defensoria Pública do Paraná acompanham as investigações. Os órgãos também pretendem esclarecer quem autorizou a ação com armamento letal. Na segunda-feira (12), a Guarda Municipal emitiu uma nota em que lamentou a morte do jovem “após uma confusão generalizada”.

A Corregedoria do órgão abriu uma investigação para apurar os fatos. À noite, em comunicado, o comandante Carlos Celso Santos Júnior informou que o agente que efetuou os disparos foi afastado das funções. A sindicância tem prazo de 15 dias, prorrogáveis por mais 15.

“No entanto, a Corregedoria pretende terminar a sindicância o mais rápido possível, a depender do recebimento de documentos essenciais, como o laudo do Instituto Médico-Legal (IML), para o esclarecimento integral dos fatos”, afirmou na nota.

O post Guarda Municipal dispara contra multidão em Curitiba e mata jovem com 10 tiros apareceu primeiro em Jornal de Brasília.

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.