Brasília se enche de branco e dourado para anunciar 2023
Cerca de 30% da população estavam em situação de pobreza em 2021
Saúde Após dois anos de covid, um em cada quatro jovens não estuda
Após dois meses de queda, indústria cresce 0,3%, revela IBGE
Bloqueio no orçamento das universidades federais é suspenso

Dia Mundial do Coração

Dia Mundial do Coração
Imagem: Dr. Fabrício da Silva (AMPLEXUS)

No dia 29 de setembro é comemorado o Dia Mundial do Coração. Dados do Ministério
da Saúde mostram que, por ano, aproximadamente, 300 mil pessoas sofrem Infarto Agudo do
Miocárdio (IAM) no Brasil, sendo que, em 30% desses casos, o paciente não resiste e morre. A
Sociedade Brasileira de Cardiologia registra, por dia, mais de 1.100 mortes, ou seja, cerca de 46
por hora, 1 a cada 90 segundos.

Cuidar do coração é essencial. Só para se ter uma ideia, as doenças cardiovasculares
causam o dobro de mortes quando comparado àquelas provocadas por todos os tipos de
câncer juntos; são 2 vezes mais que todas as causas externas, como acidentes e violência; 3
vezes mais que as doenças respiratórias e 6 vezes mais que todas as infecções, incluindo a
AIDS.

Ainda de acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia, até o final de 2022, 400 mil
brasileiros vão perder a vida por doenças do coração e da circulação. A pergunta que fica é:
como evitar esse cenário? O doutor Fabrício da Silva, cardiologista e fundador da Amplexus,
responde:

Perguntas:

– Doutor, vivemos em um mundo estressante. Trabalho, cuidar de casa, trânsito…! Nesse
cenário, o que fazer para manter o coração saudável?

Para manter o coração saudável, precisamos incorporar em nossa rotina 3 condições
básicas: alimentação balanceada (controle de sal, gorduras e carboidratos simples), atividade
física regular e um sono de qualidade. Incorporar atividade física (como uma meta inicial de
pelo menos 150 min semanais), compondo com aeróbico e fortalecimento muscular reduz
riscos cardiovasculares. Atentar-se para poluidores do sono, como por exemplo apneia ou
hipopneia do sono, também impactam nos riscos de hipertensão arterial e outras condições
cardiovasculares.

– Dizem que caminhar e correr faz bem ao coração. Isso é verdade? Quais são os cuidados
que quem pratica esse tipo de exercício deve tomar?

Hoje existem diversas modalidades de atividades físicas: musculação, esportes,
aeróbicos, High Intensity Training (HIT), funcionais, crossfit, etc. Fato é que a atividade física,
para ser benéfica para a saúde como um todo, precisa ser iniciada gradualmente, para
condicionarmos nosso sistema cardiopulmonar e garantirmos a adaptação otimizada do nosso
corpo ao esforço realizado. Lembrarmos sempre que a ausência de supervisão profissional ou
despreparo para o exercício proposto, impacta também em um risco elevado de lesões
osteomusculares.

– Sobre alimentação! Comer bem e de forma saudável é essencial para uma vida com
qualidade e um coração forte, mas, no meio desse trajeto, é possível manter prazeres, como
tomar um chopp e comer churrasco? Qual é o ponto de equilíbrio?

Sempre recebo essa pergunta no consultório sobre o Chopp ou churrasco. Fato que o
equilíbrio é o nosso maior aliado. Mudanças de vida extremas e radicais, totalmente restritivas,
não são duradouras e agregam outros impactos psicológicos. Portanto, sim! É possível manter
eventualmente a picanha e/ou Chopp, desde que tenhamos atenção à frequência,
compensações em outras refeições e aliados ao gasto energético maior.

– Quais são os mitos e as verdades sobre os cuidados com o coração? Por exemplo. Tomar
uma taça de vinho por dia pode realmente fortalecer o órgão? Angústia ou tristeza demais
podem causar enfraquecimento do coração? Assustar alguém pode provocar infarto? Se
apaixonar traz benefícios ao coração?

Sobre o vinho! Diversos estudos mostram efeitos positivos antioxidantes de substâncias
contidas no vinho e isso poderia trazer benefícios para a saúde cardiovascular. Contudo, não
podemos esquecer que se trata de uma bebida calórica e alcoólica. O excesso também acarreta
malefícios como ganho de peso e esteatose hepática (gordura no fígado). Vale outro destaque
que, normalmente, o vinho vem acompanhado de petiscos, como queijos e outros alimentos.
Atentar-se, mais uma vez, para o equilíbrio das alimentações e balancear a frequência e
quantidade da ingestão impacta na saúde.
Tristeza, depressão, ansiedade, dentre outras situações estressantes, impactam
diretamente na saúde do coração, além de aumentarem o risco de hipertensão arterial e
aterosclerose (placas nos vasos sanguíneos), causam um grande impacto social. Existe,
inclusive, uma síndrome chamada Taktsubo, ou uma Síndrome do Coração Partido, na qual
ocorre uma perda de função contrátil do coração, evoluindo para insuficiência cardíaca,
relacionada a eventos de grande estresse, como o luto, por exemplo.
A saúde mental e o coração andam lado a lado. Um estudo da American Heart
Association, de 2017, já mostrou o impacto na saúde cardiovascular ao se manter boas e leais
amizades. Da mesma forma, apaixonar-se de fato traz impactos fisiológicos para o bom
funcionamento do coração. Reduz níveis de hormônios do stress.

– Quais são os sinais de que o coração não anda bem?

Se uma pessoa já apresenta uma doença cardiovascular obstrutiva grave, uma
situação de grande estresse ou ansiedade podem instabilizar a placa na artéria coronária e
causar angina ou até mesmo o infarto. Por isso, estar com seu corpo, em especial seu coração,
com as avaliações médias em dia, previne surpresas e garante um tratamento efetivo a tempo.

– Uma pessoa que leva uma vida sedentária e sem regramento alimentar ainda pode reverter
essa situação e colocar a saúde e o coração em dia?

Sempre há tempo para repensar nossos hábitos e melhorarmos nossa saúde. Mesmo o
indivíduo sedentário, obeso, ou já com condições de doenças crônicas, consegue realizar boas
mudanças em seus comportamentos e, com isso, impactar positivamente na saúde
cardiovascular. Lembrando que sempre ao iniciar uma atividade física, se anteriormente estava
completamente sedentário, é importante uma avaliação cardiológica prévia. Isso reduz o risco
de complicações de doenças preexistentes e oferece importantes orientações ao indivíduo
sobre os cuidados.

– Quais são as dicas o senhor dá para que as pessoas tenham um coração saudável?

A grande dica é que nosso coração e nosso corpo todo são nossos maiores bens. Cuidar
e conhecer nossas restrições aumentam nossas expectativas de vida com qualidade. Tenha seu
cardiologista como seu parceiro e seu medico-amigo, pois assim teremos grandes vitórias ao
longo da vida.

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *