BC aumenta projeção de crescimento do PIB de 2% para 2,9%
DF dobra capacidade de UTI Coronariana com novos leitos no Hospital de Base
Faixas exclusivas da ESPM recebem pavimento rígido
Projeto abre inscrições para capacitação gratuita em audiovisual
Consumo nos lares cresce 2,58% até agosto, anuncia a Abras

CPI ouve sócio de empresa de logística e diretor de ANS

Mesa diretora da CPI com Omar Aziz (PSD-AM), Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Renan Calheiros (MDB-AL)

Mesa diretora da CPI com Omar Aziz (PSD-AM), Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Renan Calheiros (MDB-AL)
Jefferson Rudy/Agência Senado 11.08.2021

Em sua última semana de depoimentos, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 ouve o sócio da empresa de logística VTCLog, Raimundo Nonato Brasil, com o objetivo de obter mais informações em relação a contratos firmados pela empresa com o Ministério da Saúde, em especial um aditivo envolvendo valores milionários. A oitiva ocorre na próxima terça-feira (5), e o depoente conseguiu junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) autorização para permanecer em silêncio sobre fatos que possam incriminá-lo.

Já na quarta (6), a oitiva é do diretor-presidente da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Paulo Roberto Vanderlei Rebello Filho, para detalhar mais informações envolvendo o caso da operadora de saúde Prevent Senior. A ideia é ver se a agência foi omissa no âmbito das denúncias contra a empresa, dentre elas de que teria havido subnotificações de óbitos por covid-19 nas unidades da Prevent. 

As denúncias envolvendo a empresa chegaram à comissão já na reta final, no fim de setembro, e fomentaram a continuidade dos trabalhos por mais três semanas. Elas foram feitas por um grupo de médicos, e enviadas à CPI, informando ainda que os profissionais eram obrigados a receitar o chamado ‘kit covid’ (composto por medicamentos ineficazes contra a covid-19, como cloroquina e ivermectina) a todos os pacientes com suspeita de estarem com a doença, ou que tenham a confirmação da doença.

Informações também apontavam que a operadora teria limitado o uso de equipamentos de proteção individual (EPIs) no atendimento dos clientes, chegando a proibir o uso de máscaras em algumas situações, para facilitar a disseminação do vírus da covid-19 no ambiente hospitalar a fim de iniciar um protocolo de testes para tratamento da doença. Esse protocolo de testes, segundo denúncia, teria sido feito sem a anuência dos pacientes ou de seus familiares. 

Conforme publicado pelo R7, a ANS não levou adiante uma denúncia de que um usuário da operadora de saúde Prevent Senior recebeu em casa o chamado ‘kit covid’, composto por medicamentos sem eficácia comprovada contra a covid-19, sem sequer ter passado por uma consulta médica. Na denúncia, o segurado da Prevent afirmou que a operadora encaminhou diversos medicamentos sem que ele detalhasse seu estado de saúde.

Ele afirmou que teve tosse e, com medo de estar infectado com o coronavírus, usou o aplicativo oferecido pela operadora. Em seguida, recebeu um “termo de consentimento livre e esclarecido” e o assinou, ao entender que seria necessário para seguir com o atendimento. Dias depois, ele disse ter recebido em casa um kit com prednisona, ivermectina, azitromicina, colchicina, hidroxicloroquina, colecalciferol e vitaminas, prescritos pelo médico Rafael Souza da Silva, que não chegou a atendê-lo.

VTCLog

Já em relação à empresa de logística, o relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), vinha falando sobre a necessidade de se ouvir mais alguma pessoa ligada à VTCLog. Até então, apenas o motoboy Ivanildo Gonçalves foi ouvido pelos senadores, após a divulgação de um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que mostrou saques milionários feitos por Ivanildo. A CPI chegou a marcar a oitiva da CEO da VTCLog, Andréia Lima, mas ela foi informada às vésperas da data, e afirmou aos senadores que não poderia comparecer porque possuía agenda em São Paulo.

No caso da empresa, as suspeitas envolvem o ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias e o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR). Dias foi exonerado depois que o cabo da Polícia Militar de Minas Gerais (PM-MG) Luiz Paulo Dominghetti denunciou ter recebido um pedido de propina do ex-diretor ao tentar vender 400 milhões de doses de vacina contra covid-19 da AstraZeneca.

No mês passado, o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Benjamin Zymler determinou que o Ministério da Saúde suspenda os efeitos jurídicos do aditivo de um contrato da pasta com a empresa. A área técnica do TCU destacou que os elementos nos autos “constituem conjunto de indícios que apontam que a celebração do 2º termo aditivo possa, em tese, ter configurado tentativa de perpetração de fraude contratual danosa ao erário.”

O contrato em questão foi firmado em 2018, com vigência até julho de 2023, no valor de R$ 97 milhões anual. Na época, Barros era ministro da Saúde. Em fevereiro deste ano, houve o primeiro termo aditivo, com acréscimo de 25% em um dos itens do contrato, no valor de R$ 17,7 milhões, equivalente a 18,29% do valor total do contrato. O segundo termo aditivo, que é o foco de análise feita pelo tribunal, foi assinado em maio deste ano por Roberto Dias.

Os senadores da CPI falam sobre suposta relação de Barros pelo fato de que quando o parlamentar era ministro da Saúde, ele extinguiu a Central Nacional de Armazenamento e Distribuição de Imunobiológicos (Cenadi), responsável pela distribuição de vacinas e de outros insumos pelo governo federal, e a substituiu pela VTCLOG.

Segundo informações do Portal da Transparência, a VTCLOG já teve ao menos 26 contratos com o governo desde 2009. Do total, 16 foram com o Ministério da Saúde, sendo que cinco foram firmados até 2013 e o restante até o ano passado.

Compartilhe este conteúdo!

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *