Brasília se enche de branco e dourado para anunciar 2023
Cerca de 30% da população estavam em situação de pobreza em 2021
Saúde Após dois anos de covid, um em cada quatro jovens não estuda
Após dois meses de queda, indústria cresce 0,3%, revela IBGE
Bloqueio no orçamento das universidades federais é suspenso

Confiança de serviços subiu 1 ponto em setembro para 101,7 pontos

Confiança de serviços subiu 1 ponto em setembro para 101,7 pontos
Imagem: Divulgação

O Índice de Confiança de Serviços (ICS) sobe 1 ponto em setembro, para 101,7 pontos,
maior nível desde março de 2013 (102 pontos). Em médias móveis trimestrais, o índice
também avançou 1 ponto.

Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio
Vargas (Ibre/FGV).

Segundo o economista do instituto Rodolpho Tobler, a confiança de serviços voltou a
subir em setembro, depois de ficar relativamente estável no mês passado.
“Com esse resultado, o ICS se consolida acima dos 100 pontos. A alta no mês foi
influenciada tanto pela melhora com o momento presente, recuperando o que foi
perdido no mês passado, quanto pelas expectativas, que avançam pelo sétimo mês
consecutivo. O resultado mostra que o setor ainda mantém a trajetória positiva de
recuperação após os efeitos mais negativos da pandemia. A continuidade desse ritmo de
retomada depende da melhora no ambiente macroeconômico, que ainda se mostra
desafiador”, disse, em nota, o economista.

De acordo com a FGV, a alta do ICS neste mês foi influenciada principalmente pela
melhora na avaliação das empresas sobre a situação corrente, cujo avanço foi de 1,7
ponto, para 101,8 pontos, maior nível desde novembro de 2012 (102 pontos). O Índice
de Expectativas (IE-S) variou 0,4 ponto, para 101,7 pontos, maior nível desde outubro
de 2021 (103,6 pontos).

 

Resultado trimestral

Segundo o levantamento, a melhora da confiança do setor de serviços em setembro
contribuiu para o avanço do índice em médias trimestrais. No segundo trimestre, a alta
foi puxada por serviços prestados às famílias e serviços de transporte, que haviam
sofrido mais ao longo da pandemia e se beneficiaram com o aumento da mobilidade.

Conforme o Ibre/FGV, nesse último trimestre, a alta foi mais tímida, mas continuou
sendo disseminada em quase todos os segmentos da pesquisa. “O desafio que se
apresenta para os próximos meses é manter essa trajetória favorável, mesmo com o
cenário de desaceleração da economia”, completou Tobler.

*Fonte: Agência Brasil

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *