Drenar-GDF-300x250-GIF
Programa oferece até R$ 21 mil de crédito para empreendedores negros
Governo lança programa para reduzir filas no sistema de saúde
UNE quer construir agenda com reivindicações ao governo federal
Anvisa fará webinar sobre novas regras de reprodução humana assistida
Mercado financeiro eleva projeção da inflação de 5,74% para 5,78%

Comissão da Câmara aprova incluir cursos de ensino a distância no Fies

Fies: comissão aprova a inclusão de cursos de graduação e pós-graduação à distância

Fies: comissão aprova a inclusão de cursos de graduação e pós-graduação à distância Pixabay

A Comissão de Educação da Câmara dos Deputados aprovou a inclusão de cursos de graduação e pós-graduação à distância no Fies (Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior), o que deve beneficiar milhares de estudantes no país. O projeto ainda vai passar pelas comissões de Finanças e Tributação e pela de Constituição e Justiça, antes de ir para votação em plenário. Entidades aprovam o projeto.

De acordo com Janes Fidélis Tomelin, diretor de Qualidade na EAD pela ABED (Associação Brasileira de Educação a Distância) e pró-reitor de ensino EAD UniCesumar o projeto traz muitos benefícios para os estudantes, principalmente dos grupos sociais C e D. “Porém mesmo com valores acessíveis ainda são desafiadores para este perfil de público”, explica. “Estamos falando de adultos trabalhadores, com família e divisão de renda que impossibilita o pagamento dos estudos e realização dos sonhos.”

O especialista avalia que o projeto de lei democratiza e cria a acessibilidade para uma classe social desfavorecida. “São cursos de qualidade, ofertados para qualquer classe social”, diz. Segundo Tomelim, as taxas de evasão do ensino a distância têm sido maiores do que no presencial. E o fator principal é a dificuldade financeira para manter os estudos.

Para Tomelin, o projeto de lei poderia ir mais adiante: “além do financiamento estudantil, por que não oferecer aos estudantes de baixa renda a possibilidade de financiamento para recursos tecnológicos, como notebook e computadores?”. Ainda, de acordo com o diretor, é preciso novas políticas públicas que favoreçam o desenvolvimento das tecnologias e metodologias de ensino, ajudando estudantes e professores para complemento da formação profissional.

A pauta vem sendo debatida por associações há anos e atende a uma demanda dos estudantes também. “A inclusão dos cursos de EAD no financiamento estudantil, faz todo sentido, uma vez que estamos acompanhando um crescimento exponencial dessa forma de ensinar e aprender. Mas como esse projeto de lei ainda tem que passar por duas comissões na Câmara dos Deputados e ainda depende de sansão, teremos que aguardar um pouco mais para avaliar com profundidade”, observou o diretor executivo da ABMES (Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior), Sólon Caldas.

“A expectativa é que a partir do próximo ano, o MEC (Ministério da Educação) reformule o regramento e acabe com essa dicotomia de presencial e EAD, aproveitando as possibilidades positivas que à pandemia nos trouxe no que diz respeito ao uso da tecnologia na formação do aluno”, conclui.

*Estagiário do R7 sob supervisão de Karla Dunder

Fonte: R7 – Educação

Compartilhe este conteúdo!

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *