Defensoria ingressa com Ação Civil Pública contra Porto Alegre e mais três Municípios para garantir passe livre nos ônibus durante os dias de eleições
Brasil ocupa 54ª posição em ranking de inovação
Campanha de vacinação contra a pólio termina hoje
TSE desmente fake news
Transparência Eleitoral Brasil faz credenciamento para coletiva de imprensa

Carla Diaz sobre interpretar Suzane Richthofen: Precisava do distanciamento do meu julgamento pessoal

Os dois filmes, com duas versões do crime, estreou nesta sexta feira, dia 24, no Prime Video

Carla Diaz estreou nesta sexta-feira, dia 24, na plataforma de streaming Prime Video, como estrela dos filmes A menina que matou os pais e O menino que matou meus pais. As duas obras são baseadas nas versões e nos processos do crime que mais chocou o Brasil: o assassinato dos pais de Suzane Von Richthofen – a jovem, de classe média alta, com a ajuda do namorado e do cunhado, em 2002, armou a morte dos pais dela. 

– O desafio de uma história real não é o que contar, mas como contar. Eu tinha curiosidade de saber como eles eram antes?, como era a relação com a família?, o que a Suzane sentiu naquela manhã se ela sabia que à noite ela ia matar os pais?. Foi aí que decidimos contar os dois pontos de vista partindo do que eles disseram no tribunal, contou o escritor Raphael Montes, que assina o roteiro com Ilana Casoy, para o jornal Extra

Carla teve o desafio de dar vida à Suzane Von Richtofen nas telinhas e contou que a preparação para o projeto foi desafiadora:   

– Eu precisava do distanciamento do meu julgamento pessoal em relação ao crime e à história real porque, se não, eu não conseguiria interpretar essa personagem em dois filmes que contam a mesma história mas com olhares totalmente diferentes. Os roteiros foram nosso norte mais importante, revelou.

Já para interpretar o namorado de Suzane, Daniel Cravinhos, ficou sob a responsabilidade do ator Leonardo Bittencourt, que definiu o processo de construção do personagem como muito intenso:

– A imagem do Daniel é menos formada na cabeça das pessoas porque o caso se concentrou muito na Suzane e, por isso, eu tinha um pouco mais de liberdade de criação. Mas os roteiros eram muito ricos em detalhes de comportamento, personalidade, de como eles eram antes de o crime acontecer. Então, tínhamos que nos guiar por eles e sabíamos que eram 100% fiéis ao que estava nos autos do processo, explicou.

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.