Preparem sua torcida! Vem aí a segunda edição da Copa Lotus
Comissão aprova texto preliminar do Orçamento de 2023
Câmara aprova projeto que regulamenta criptomoeda
FGV: Indicador de Incerteza da Economia varia 0,1 ponto
Governo trabalha em novos bairros e na regularização de 24 mil imóveis

Capitão do Guarani admite carinho pelo São Paulo, mas sonha com gol

Bruno Silva foi campeão brasileiro no São Paulo e agora quer aplicar a 'lei do ex'

Bruno Silva foi campeão brasileiro no São Paulo e agora quer aplicar a ‘lei do ex’ THOMAZ MAROSTEGAN/GUARANI

O Guarani por pouco não subiu para a Série A do Brasileirão. Passada a frustração, chegou a hora de estrear na temporada 2022 e sonhar em ir longe no Paulistão. O primeiro jogo é uma pedreira, logo o São Paulo, atual campeão estadual.

O jogo desta quinta (27), além de ser importante por ser o primeiro do ano, será especial para Bruno Silva, capitão do time de Campinas e que construiu uma linda relação com o rival.

“O São Paulo foi o clube que joguei por oito anos. No meu primeiro ano como profissional, fui campeão brasileiro, então com certeza esse título guardo com muito carinho na memória”, lembrou, citando a campanha que deu ao Tricolor o hexacampeonato brasileiro, em 2008, quando participou de alguns jogos.

Bruno jogou no São Paulo

Bruno jogou no São Paulo Divulgação

Apesar de atuar como zagueiro ou volante, Bruno admite que seria especial marcar um gol contra o São Paulo, na conhecida ‘lei do ex’: “O principal objetivo não é esse e sim a vitória da equipe. Mas se der para conciliar, será ótimo.”

Atualmente com 33 anos e, além do clube do Morumbi, com passagens também por Vasco e outras equipes, o defensor diz se sentir honrado em utilizar a faixa de capitão do Guarani.

“Nenhum capitão é escolhido de forma aleatória. Não tenho vaidade com isso, mas se me entregaram a faixa, eu agradeço e vou honrá-la demonstrando ser um líder dentro e fora do campo.”

A liderança, aliás, será fundamental para o sucesso do Guarani, que conta também com vários jovens no elenco principal.

“Eu posso contribuir com minha vivência no futebol, tudo de bom que assimilei nesses anos como atleta de futebol procuro conversar e passar para eles. Temos vários jovens talentosos, mas não é só dentro de campo. Eles precisam estar bem mentalmente e ter um suporte para desenvolverem o seu melhor”, encerrou.

Paulistão: veja todos os campeões do estadual mais antigo do Brasil

Fonte: R7 – Esportes

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *