Petrobras: preço do querosene de aviação cai 0,84% a partir de sábado
Drones ajudarão na fiscalização contra crimes eleitorais no DF
Taxa média de juros cai em agosto, mas segue tendência de alta
Dia Mundial do Coração
Distrito Federal suspende aulas na próxima sexta-feira

Câmara estuda microimposto para bancar desoneração ampla

Na imagem, plenário da Câmara dos Deputados

Na imagem, plenário da Câmara dos Deputados
Adriano Machado/Reuters – 14.09.2020

O acordo que possibilitou a aprovação nesta quarta-feira (15) da desoneração da folha de pagamentos em comissão da Câmara prevê que os deputados apresentem uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) com a criação de um microimposto sobre operações digitais e movimentações financeira com alíquota de 0,1%. 

O imposto bancaria não apenas as perdas para os 17 setores que permanecerão desonerados até 2026, mas para uma desoneração ampla, para todos os setores da economia. A desoneração ampla é um desejo do governo. 

Para os defensores da proposta, não trata-se de um imposto novo, mas de uma compensação, que não aumentaria a carga tributária e reduziria o peso dos impostos na criação de empregos formais. 

A ideia de um novo imposto para bancar desonerações já foi proposta pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, com alíquota maior do que os 0,1%. Mas diante de resistências, inclusive no Congresso, o governo recuou. Agora o projeto partirá da Câmara. 

Na imagem, deputado Efraim Filho (DEM-PB)

Na imagem, deputado Efraim Filho (DEM-PB) Reprodução Câmara dos Deputados

Há, no entanto, grandes restrições dentro do parlamento. Alguns líderes não veem a proposta como viável, como explica o líder do DEM, deputado Efraim Filho (DEM-PB). 

“Essa foi uma conversa do governo com o relator, e não acho que o Congresso esteja pronto para votar novo imposto, especialmente em ano pré-eleitoral. A estratégia do governo vetar e o Congresso derrubar o veto também existe. A outra é conseguir a solução via PEC dos Precatórios que dá folga fiscal ao governo, que poderia usar essa folga para bancar as desonerações”. 

 

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.